segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

A Várzea Tem Cajazeira, Joaquim Cardozo




 
A várzea tem cajazeiras...
Cada cajazeira um ninho
Que entre o verde e o azul oscila;
Mocambo de passarinho.

Na baixa funda, mais funda,
Tenros que se alojam verdes:
Verdes de capim de planta;
Vista, mais vista a perder-se.

Maracujás enredados...
Flor da paixão, do martírio;
Entre as balsas dos remansos
Baronesas cor-de-lírio.

Nessa várzea sou planície,
Vaga dimensão dormente;
Tendida no chão conforme
Sou de mim sombra somente.

Rumos de céus desvelados
Onde chego e me afugento!?
- Já me escuto como em sonho
De tão longe que me ausento!

Em redes de ramos verdes
Me estendo como um caminho,
Me espreguiço dessa várzea,
E me embalo desse ninho.

(Poesias completas, Joaquim Cardozo 1979)