segunda-feira, 27 de julho de 2015

Segunda-feira poética: Cheiro de rio.

Hoje trago uma música.  Afinal, antes de ter a melodia, toda música é uma poesia.


Cheiro de Rio
Melodia:Almir de Oliveira e 
Letra:Rodolfo Aureliano
                                                   dedicada a Geraldo Azevedo

Camponeses e reses
Aparecem as vezes
Em meu coração
Arrebatado leão

Cheiro de rio, de navio
Pavio aceso clareando
A alma noturna do rio
Fonte de pensamentos
De velhos e longos lamentos
De novos e loucos alentos
Da pátria,
Da mata, agreste, e sertão

Operários e canários
Cantam as vezes em meus ouvidos
Canções populares de ninar.