sábado, 28 de março de 2015

Roxo, Érika Valença


Ela era vestida de poesia
abotoava os versos
ajustava as rimas e tudo combinava.
Maquiava seu rosto
com pinceladas de metáfora cor-de-rosa
e lábios com antíteses carmim. 
Não tinha rima nem ouro
e calçava-se com delicadas menotímeas.

Vivia entre cores, texturas e sensações
Passeava pelos seus desejos ricos de imaginação
e compadecia nos vícios de linguagem.
Era cega e apenas enxergava pelo amor.