Pular para o conteúdo principal

Ainda Não Li a Culpa É das Estrelas

                                         Num shopping encontrei essa fila que ficou quilométrica enquanto eu tomava café. Notei que era formada basicamente por jovens ou adolescentes.  Fui assuntar: os grupinhos femininos, casais de namorados muito jovens, mães com filhas  iam ver A Culpa é Das Estrelas.  O restante da fila  assistiria ao filme  X Man. 

Mais assuntei: Elis e a amiga, que eram exceção com relação à faixa etária, nunca tinham ouvido falar de John Green. Elis é leitora compulsiva e por curiosidade leu o livro. Disse não ter gostado por causa do final. Ia ver se o filme era melhor. A amiga  detesta ler. Foi para o cinema convidada por Elis e não gostou de ter sabido o desfecho antes de entrar na sala.  Nenhuma das duas conhece outro livro do autor nem sabem que é o campeão de vendas há alguns meses. 
Aí bateu curiosidade e, acionando meu botão cara-de- pau, fui xeretar com umas adolescentes falantes e simpáticas. O jovem trio já leu o livro e adorou. Digo que é literatura só para jovens e Estela discorda. Maria Eduarda diz que emociona adultos também. Pergunto se me recomendam A Culpa é Das Estrelas e as três recomendam, as mães já leram e gostaram, informam. Nenhuma delas conhecia o autor nem leram outro livro dele. Aliás, só Maria Eduarda sabe que ele tem outros embora não lembre os títulos. informo que John Green tem mais três livros na lista dos mais vendidos e um deles, Cidades de Papel, vai virar filme também. Todas garantem que vão assistir. 

                                                                          Se eu lhe enviar o livro você comenta pra meu blog?  Comento. Acreditei e enviei o livro. Aguardo o comentário.

O grupinho se deixou fotografar e me recomendou a leitura de Jogos Vorazes. Ah, eu ainda não li A Culpa É das Estrelas. Pode?


 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Formiga Boa, Monteiro Lobato

Houve uma jovem cigarra que tinha de chiar ao pé do formigueiro. Só parava quando cansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas.      Mas o tempo passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados passavam o dia cochilando nas tocas.      A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em apuros, deliberou socorrer-se de alguém. Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se foi para o formigueiro. Bateu - tic tic-tic...      Aparece uma formiga friorenta embrulhada num xalinho de paina.      - Que quer? - perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.      - Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu vivo ao relento.      A formiga olhou-a de alto a baixo.      - E que fez durante o bom tempo, que não construiu uma casa?

Era uma vez...Adivinha adivinhão, Luis da Câmara Cascudo

Era uma vez um homem muito sabido, mas infeliz nos negócios. Já estava ficando velho e continuava pobre como Jó. Pensou muito em melhorar sua vida e resolveu sair pelo mundo dizendo-se adivinhão. Dito e feito. arrumou uma trouxa com a roupa e largou-se.      Depois de muito andar, chegou ao palácio de um rei e pediu licença para dormir. Quando estava jantando, o rei lhe disse que o palácio estava cheio de ladrões astuciosos. Vai o homem e se oferece para descobrir tudo, ficando um mês naquela beleza. O rei aceitou.

Vinicius de Moraes e Cecília Meirelles

Esta segunda-feira vem com dois poemas, para ajudar a esclarecer uma confusão feita por alguns internautas, quando Ladyce West publicou no seu blog, Peregrina Cultural, o poema As Borboletas de Vinicius de Moraes.  Em alguns sites e até em livros didáticos a autoria é  dada a Cecília Meirelles.  O blogueira Ladyce está absolutamente certa. O poema é de Vinicius de Moraes e na postagem consta a referência.   Vamos aprender, então?