segunda-feira, 8 de abril de 2013

Segunda-feira poética: Machado de Assis

       
Sem ter que ler por obrigação, acabei por descobrir os poemas de Machado de Assis e achei por bem trazê-los para cá com a mesma ortografia da época. Além da beleza dos versos dá para ver como se escrevia em 1864, quando Machado de Assis escreveu e o livro  Chrysálidas, de onde tirei esse poema.



         Musa Consolatrix


Que a mão do tempo e o hálito dos homens

Murchem a flor das illusões da vida,

        Musa consoladora,

E ao teu seio amigo e socegado

Que o poeta respira o suave somno.



       Não ha, não ha comtigo,

Nem dor aguda, nem sombrios ermos ;

Da tua voz os namorados cantos

      Enchem, povoam tudo

De intima paz, de vida e de conforto.



Ante esta voz que as dores adormece,

E muda o agudo espinho em flor cheirosa,

Que vales tu, desillusão dos homens?

     Tu que podes, ó tempo ?

A alma triste do poeta sobrenada

     Á enchente das angustias,

E, affrontando o rugido da tormenta,

Passa cantando, alcyone divina.


     Musa consoladora,

Quando da minha fronte de mancebo

A ultima illusão cair, bem como

     Folha amarella e secca

Que ao chão atira a viração do outono,

    Ah ! no teu seio amigo

Acolhe-me, — e haverá minha alma afílicta,

Em vez de algumas illusões que teve,

A paz, o ultimo bem, ultimo e puro!


(Fonte: www.brasiliana.usp.br)

Um comentário:

  1. ser romântico é o que havia de mais brega. mas eu adoro. principalmente porque me sinto dentro do Rio de Janeiro daquela época, nas crônicas ou mesmo romances, dele.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...