É difícil comentar este livro porque, nascido de lenda e desenvolvido pela grande capacidade literária do autor,nós -os leitores- ficamos temerosos de pular as pedras do meio do caminho...No entanto, devo confessar que mesmo reconhecendo o valor do que lí, não é essa a literatura da minha preferência. Isto porque já ultrapassei a casa dos 70 e leio, leio muito, leio tudo; mas por distração. Dessa forma,não poderia incluir O eleito no rol dos meus prediletos. A história é muito bem imaginada e desenvolvida levando o leitor a sentir um aperto no coração pelo medo gerado em relação ao final. Eu mesma, a certa altura fiquei imaginando bem diferente do que aconteceu e até sofri com tanta tragédia. Mesmo sendo uma longa história, não cansa. A mim preocupou, porque fiquei ansiosa pelo desfecho que não acreditava fosse o que foi. Cada leitor, certamente, tem o seu jeito de avaliar o que lê.     Então, para ser justa,direi que "O eleito" merece ser lido mesmo eu não lhe dando nota dez. Vou ficar aguardando outra oportunidade em que possa ler Thomas Mann e aplaudi-lo sem ressalvas.

(Internauta: Nalize Valença)