domingo, 5 de agosto de 2012

História bonita: Camila fez a melhor redação do último Enem


    Camila Pereira Zuconi , saiu de casa em Três Marias – MG aos 14 anos para fazer o ensino médio  numa cidade maior: Viçosa também nas Gerais. Escolheu o colégio de Aplicação da Universidade Federal de Viçosa porque soube que era uma das melhores escolas públicas do país. De lá, seguiu para Porto Alegre para estudar medicina. “O que me leva a continuar é saber que estou correndo atrás do que quero”.
   Por que a mineirinha é a história bonita de hoje? porque  está fazendo uma trajetória  vencedora.  “Sempre levei a escola muito a sério. Procurei fazer o que me era pedido, e fazer bem feito”, explica Camila.
         O MEC divulgou as melhores redações do ENEM do ano passado, a melhor delas foi a de Camila. Posto a redação porque a moça fala de algo atual: as redes sociais.  Na verdade o que mais me chamou a atenção foi o fato de Camila ter escrito sobre algo de que falamos recentemente: a  exposição que cada pessoa faz de si no facebook, por exemplo. Camila, para mim, é o melhor exemplo que posso dar de imagem feita pela competência. A mineirinha ficou conhecida por ter feito uma redação, simples, objetiva e correta.  Fico feliz em ver uma pessoa tão jovem,  projetar-se sem ser por pregações religiosas, postagem e compartilhamento de memes feios e mal escritos e outras coisas sem maiores conteúdos.    Bem, vamos ao que interessa: 
 
Redação de Camila Pereira Zuconi, Viçosa (MG).

Redes sociais: o uso exige cautela

Uma característica inerente às sociedades humanas é sempre buscar novas maneiras de se comunicar: cartas, telegramas e telefonemas são apenas alguns dos vários exemplos de meios comunicativos que o homem desenvolveu com base nessa perspectiva. E, atualmente, o mais recente e talvez o mais fascinante desses meios, são as redes virtuais, consagradas pelo uso, que se tornam cada vez mais comuns. Orkut, Twiter e Facebook são alguns exemplos das redes sociais (virtuais) mais acessadas do mundo e, convenhamos, a popularidade das mesmas se tornou tamanha que não ter uma página nessas redes é praticamente como não estar integrado ao atual mundo globalizado. Através desse novo meio as pessoas fazem amizades pelo mundo inteiro, compartilham ideias e opiniões, organizam movimentos, como os que derrubaram governos autoritários no mundo árabe e, literalmente, se mostram para a sociedade. Nesse momento é que nos convém cautela e reflexão para saber até que ponto se expor nas redes sociais representa uma vantagem.
Não saber os limites da nossa exposição nas redes virtuais pode nos custar caro e colocar em risco a integridade da nossa imagem perante a sociedade.
Afinal , a partir do momento em que colocamos informações na rede, foge do nosso controle a consciência das dimensões de até onde elas podem chegar. Sendo assim, apresentar informações pessoais em tais redes pode nos tornar um tanto quanto vulneráveis moralmente.
Percebemos, portanto, que o novo fenômeno das redes sociais se revela como uma eficiente e inovadora ferramenta de comunicação da sociedade, mas que traz seus riscos e revela sua faceta perversa àqueles que não bem distinguem os limites entre as esferas públicas e privadas “jogando” na rede informações que podem prejudicar sua própria reputação e se tornar objeto para denegrir a imagem de outros, o que, sem dúvidas, é um grande problema.
Dado isso, é essencial que nessa nova era do mundo virtual , os usuários da rede tenham plena consciência de que tornar pública determinadas informações requer cuidado e, acima de tudo, bom senso, para que nem a própria imagem, nem a do próximo possa ser prejudicada. Isso poderia ser feito pelos próprios governos de cada país, e pelas próprias comunidades virtuais através das redes sociais, afinal , se essas revelaram sua eficiência e sucesso como objeto da comunicação, serão, certamente, o melhor meio para alertar os usuários a respeito dos riscos de seu uso e os cuidados necessários para tal .

Este blog concorre ao Prêmio TopBlog 2013. Para votar, clique aqui.  A blogueira agradece.