terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Budum Filho, Luis Fernando Veríssimo.

            Uma comissão da Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul esteve investigando a violência na TV, quetão que preeocupa pais, educadores, sociólogos e que é bastante controvertida. Qual seria a influência da violência da TV nos espectadores? Haveria uma relação direta entre o aumento da criminalidade no Brasil e a crescente violência diariamente presente nos filmes importados da nossa TV? A TV estaria dando maus exemplos?

Infelizmente, a comissão da Assembléia gaúcha não pôde ouvir o conhecido facínora Cedenir de Tal, vulgo Budum Filho. Seu depoimento, muito elucidativo, teria sido mais ou menos assim:

Deputado: Conte-nos um pouco da sua vida de crimes, Sr. Budum
Budum Filho: Comecei fazendo pequenos crimes, em casa. Éramos 18 irmãos morando no mesmo barraco e todos criminosos. Eu tinha 7 anos, era o caçula. Precisava chamar a atenção, senão não comia, entende? Até que um dia consegui chamar a atenção deles.

Deputado: O que foi que o senhor fez, Senhor Budum?
Budum Filho:Matei a mãe.

Deputado: Muito bem. O senhor acha que foi influenciado pela TV quando escolheu a carreira do crime?
Budum Filho:Naquele tempo nós não tinhamos TV. Depois eu roubei uma e aí, sim, comecei a ser influenciado.

Deputado: O senhor passava o dia na frente da televisão, a sua mente,ainda inocente, absorvendo toda aquela violência, é isso?
Budum Filho: Isso aí excelência. Passava a noite na rua, assaltando para viver, e de dia ficava na frente da televisão sendo desencaminhado. Aprendi muita coisa na TV.

Deputado: Por exemplo?
Budum Filho:Aprendi a largar ferro de passar no pé das pessoas e fazer as pessoas engolirem banana de dinamite e depois acender o pavio...

Deputado: Tudo isso em filmes policiais estrangeiros?
Budum Filho:Não, em desenho animado. Eu era louco por desenho animado

Deputado: Mais tarde, já adulto, o senhor continuou sendo levado à violência pela TV...
Budum Filho:Exatamente. Morava com um colega de profissão. O Tadeu Arranca-Unha, e um dia tivemos uma discussão por causa da TV. Ele queria ver um filme de Greta Garbo e eu queria ver o teipe do jogo. No fim eu degolei ele e ele ficou quieto.

Deputado: Perfeito. Até hoje o senhor continua aprendendo novos métodos de violência com a TV, não é verdade?
Budum Filho: É. Tenho visto uns filmes sensacionais. ensinam cada coisa... Abrem o peito do cara e vão direto no coração. Coisas assim instrutivas.


Deputado: Esta série eu acho que não conheço...
Budum Filho: Não é série. É aquela parte científica do Fantástico. Só estou esperando a oportunidade de pôr em prática o que eles ensinaram.

Deputado: Sr.Budum, acho que ...
Budum Filho:Aquela de enfiar uma agulha na cabeça de um ratinho é sensacional...
Deputado: Obrigado, senhor Budum.




Crônica do livro: Pai Não Entende Nada
Ed.L&PM 1991
Nota: esta crônica foi escrita antes da reforma ortográfica e o blog manteve a grafia original