sábado, 27 de fevereiro de 2010

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Carandiru???

Não cheguei a conhecer Carandiru.Claro  que nunca fui presa, mas também não conhecendo São Paulo a unidadde prisional para mim ficava na minha estante e tinha a fotografia de Dráuzio Varela de um lado. Uff, que alívio! Melhor ainda saber que no próximo mês quando for conhecer uns amigos virtuais visitando meu filho, posso - e devo - fazer questão  de conhecer no  que se transformou  Carandiru.
(em  construção)

sábado, 20 de fevereiro de 2010

Projeto Livros Sem Fronteira - Valença - RJ

                Rio Sul Revista, traz o  Projeto Livro Sem Fronteiras da  cidade de Valença no Rio de Janeiro,
até você. Veja no Youtube.



quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Trovinhas da Ilnéa

Era só como se fosse

o meu céu de aluguel:
só nuvens de algodão doce
dos meus anjos de papel.

(Ilnéa)




Um céu, azul, de vitrais,
vejo de minha janela
uma nuvem, outra mais,
fazem a tarde mais bela



... e um abraço,

Noite dos Mascarados, Chico Buarque

Noite dos Mascarados
Chico Buarque

Quem é você?
- Adivinha se gosta de mim
Hoje os dois mascarados procuram os seus namorados perguntando assim:
 Quem é você, diga logo...
- ...que eu quero saber o seu jogo
- ...que eu quero morrer no seu bloco...
- ...que eu quero me arder no seu fogo
- Eu sou seresteiro, poeta e cantor
- O meu tempo inteiro, só zombo do amor
- Eu tenho um pandeiro
- Só quero um violão
- Eu nado em dinheiro
- Não tenho um tostão...Fui porta-estandarte, não sei mais dançar
- Eu, modéstia à parte, nasci prá sambar
- Eu sou tão menina
- Meu tempo passou
- Eu sou colombina
- Eu sou pierrô
Mas é carnaval, não me diga mais quem é você
Amanhã tudo volta ao normal
Deixa a festa acabar, deixa o barco correr, deixa o dia raiar
Que hoje eu sou da maneira que você me quer
O que você pedir eu lhe dou
Seja você quem for, seja o que Deus quiser
Seja você quem for, seja o que Deus quiser



sábado, 13 de fevereiro de 2010

Carnaval - Fred Matos

carnaval
Fred Matos


— vam'bora?


não ouvi se ela falou
nem me dei conta de quando foi
absorto nos meus pensamentos.

da mesa ao lado a nota histórica:
"na Grécia, há cinco mil anos,
para ficar famoso,
colocar seu nome no livro dos tempos,
Eróstrato incendiou o Templo de Diana,
uma das sete maravilhas da terra".

é de memória que escrevo agora,
podem ter sido outras as palavras
do, decerto, professor de história,
moço ainda de espinhas na cara.

em guardanapos de papel,
encontrei, depois, no bolso da calça
fragmentos com a minha caligrafia:

utópico trópico meu equador
equinocial equação de gozo e drama
de riso e dor, de sonho e razão
rapsódia melancólica, eólica, louca
rouca, plural.

estanca na boca o tímido estame
da tinta flor, do vento marinho
que brisa a morna pletora, e chora
e ri rebrotando a verdura madura
límpida e singular.

sangra, singrando a pênsil linha
limítrofe entre o pêndulo e o espaço
cindido por imperceptíveis pancadas
rompendo a rota a golpes de sépticos pés
nus e nós. em noz moscada.

enquanto tanto gasto pó palavras
e espanto do meu canto, a luz, o manto
o conduto, a compreensão. salta o sapo
salga o sal, e oculto o obvio, por vezo vil
véu, víbora, tacão.


loucuras. sim, dirás, direi, dirão
e gira a roda da fortuna. escura
a bruma ronda a noite, o dia, a língua
a mão. eu não. ah! sim. ah! são
os santos de ocasião.



amanhece, anoitece, não sei bem
o copo é oco, agora peço a nota
noto que a morena foi embora
pago e trôpego pingo
com um arroto
o ponto final.

não alcanço o sentido disso.

foi uma bebedeira e tanto:
há coisas de que me lembro;
de outras não.
a ela penso que disse
do encanto de estar aqui agora,
de ser este mutante múltiplo
que devora o tempo, as horas.


protagonizei,
vês?,
meu deus íntimo.
íntimo mas falso. outra máscara
das que me permitem dissimular
uma personalidade estranha,
senão irremediavelmente doentia.

agora é a cabeça que dói
é um amargo na boca
é o corpo cansado.

um banho frio,
um café quente e forte
e estarei pronto pra outra.


a festa não pode acabar.


Do livro: Anomalias, publicado em 2002

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

O Homem da Rosca

Da rooooooooooooooooooooooosca!!!

Com este livro, o professor José Abrantes analisa a vida e o sucesso profissional de um humilde empreendedor nordestino, o Erisvaldo Correia dos Santos, ou melhor, o homem "Da Rosca", que criou um tipo especial de rosca doce de farinha de trigo e uma forma toda especial de atrair, conquistar e encantar seus clientes. Erisvaldo nasceu em 1972, na cidade de Crato, no Ceará, e migrou para o Rio de Janeiro em 2005. Mesmo estudando apenas até a 6ª série do ensino fundamental, ele criou uma nova forma de marketing de varejo popular, além de técnicas de gestão de pessoas e fidelização de clientes. Ele vende suas roscas, no Rio de Janeiro, pelas ruas do bairro do Catete e arredores. Baseado no sucesso do homem "Da Rosca", o livro apresenta dicas de empreendedorismo e o passo-a-passo de como as pessoas devem pensar um novo negócio, de forma que se obtenha renda e seja feliz.

Título: O Homem da Rosca  Erisvaldo Correia dos Santos e José  Abrantes
 

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Cinderela vegetariana??

Meio por brincadeira a escritora Nunila López Salamero achou por bem inovar duas personagens clássicas da literatura  infantil. Em La Cenicienta que no Queria Comer Perdices*, cinderela só  sai  do  baile de madrugada, larga o  príncipe  e é vegetariana. Achou pouco?  não  terminei. sua  amiga, Branca de Neve, tem  depressão e toma  Prozac.
Acabou?  nada! O livro  editado pela Planeta, uma das maiores editoras da Espanha, e que vendeu 50 mil  exemplares logo nas primeiras semanas de lançamento.  As duas mulheres, Nunila López Salamer e a desenhista Myriam Cameros Sierra, meteram-se  muito mais na vidas das princesas que conhecemos. A Bela Adormecida conta como acordou  sozinha e Branca de Neve cura-se da depressão... o resto , temos  de aguarda para ler. O livro  deve ser lançado   esse ano  aqui no  Brasil, mas ainda sem  data definida.
Aguardemos, a autora informa que  La Cenicienta que No Queria comer Perdices, é dedicado  a todas as mulheres valentes que querem mudar de vida.
 * Cenicienta que no Queria Comer Perdices ( a cinderela que não  queria comer perdizes)o  título é uma referência à frase com  que terminam  todos os contos de fada na Espanha.

O começo ( depoimento de Rosa - comunidade LivroErrante)

Como veio para a Comunidade Livroerrante?
Eu fui para a Livro Errante, principalmente motivada pela prática dos empréstimos que são feitos na comunidade. Li, em conseqüência disso, livros que jamais leria em minha vida, dos quais, talvez, nem tomaria conhecimento...

Quando começou a gostar de ler? Comecei a gostar de ler ainda na infância, se bem que vivi na fazenda, com muitos poucos livros. Tive um professor, que, aliás, era meu primo. Ele nos motivava a ler, nos ensinava a arte de desvendar palavras com tanto amor que me contaminou. Ainda é vivo e tenho-o na mais alta valia!

Na verdade, quando era criança, morava na fazenda. E lá, a gente se reunião, à noitinha, em volta da mesa da cozinha (imensa!!) e meu pai, meus tios (tinha vários que moravam pertinho de nós), minha mãe contavam histórias, de Pedro Malazarte, de Jesus, quando andou pelo mundo, acompanhado de Pedro... O quanto esse sofria, porque queria ser esperto... E a gente brincava muito de adivinhações. Eu adorava... Eram como histórias. Depois, eu já mãe, descobri um livro da Ângela Lago chamado de Sua Alteza A Divinha, que era tb sobre adivinhações. Tenho-o até hoje aqui em casa.


Ah, e meus tios contavam muitos, muitos e muitos causos de “assombração”. Minha irmã mais velha morria de medo e eu... nada! Nem tremia!
Sobre livros infantis, eu ganhei um quando me formei na quarta série primária: Os Três Cabelos De Ouro do Diabo. Esse também até hoje o tenho comigo. Mandei encaderná-lo, para que não se estragasse. Tem mais de quarenta anos, afinal! Mas não tinha livros... A gente era bem pobre, éramos doze irmãos!

Viciei-me em leitura ainda no ginásio, com... fotonovelas. Ai, ai, ai!!! Como eu lia aquilo. Daí passei para os livros. Quando estudava no então Curso Normal, tinha um caderno só para anotar os livros que lia. A. J. Cronnin, Jorge Amado, um tal de João Mohana, Adelaide Carraro... E tantos outros. Depois que “evolui”!!
Então, acho que é isso.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Livros marcantes para jovens de várias gerações - 10

O Apanhador No Campo de Centeio - J. D. Salinger
O Apanhador narra um fim-de-semana na vida de Holden Caulfield, jovem de 17 anos vindo de uma família abastada de Nova York. Holden, estudante de um pomposo internato para rapazes, volta para casa mais cedo no inverno depois de ter levado bomba coletiva em quase todas as matérias. Na volta para casa, ao se preparar para enfrentar o inevitável esporro da família, Holden vai refletindo sobre tudo o que (pouco) viveu, repassa sua peculiar visão de mundo e tenta enxergar alguma diretriz para seu futuro. Antes de se defrontar com os pais, procura algumas pessoas importantes para si (um professor, uma antiga namorada, sua irmãzinha) e tenta lhes explicar a confusão que passa por sua cabeça.


E é só isso aí. Não há nada de mais trágico, ou dramático, na história; é só um adolescente voltando para casa. A grande magia de O Apanhador é justamente esta: ser uma história de e para adolescentes, e não meramente um livro "recomendado para leitores em idade escolar". Foi a primeira vez na literatura americana (ou mesmo na mundial) que o universo próprio dos jovens foi estudado a fundo e exposto de maneira absolutamente natural, sem nenhuma pretensão ou didatismo. As idéias, conceitos, bobeiras, burrices, enfim, toda a loucura de ser jovem, nunca tinham sido traduzidos de uma maneira tão profundamente sintonizada com a realidade.
(Marco Antônio Bart)

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Livros marcantes para jovens de várias gerações - 9

Crime e Castigo - Fiodor Dostoiévski
Rakolnikov é  professor de línguas muito  pobre e que vive angustiado ideia de se tornar alguém melhor ou fazer algo importante. Divide o homem em ordinário e extraordinário. Forma que explicaria a  quebra de  regras em  favor do avanço humano.
Seguindo este preceito - fazer algo que mude a sociedade ou em prol dela - o personagem planeja, em meio a uma luta consigo, a morte de uma agiota e, finalmente, cumpre-o.
Antes de fugir da cena do crime, porém, Raskólnikov também comete, a contragosto, levado apenas pela situação de surpresa, o assassinato de Lisavieta, irmã da velha agiota, pois ela havia visto o cadáver recém-assassinado no chão. etc etc...
O livro é um  dos clássicos da literatura universal. Crime Castigo junto  com Os Irmãos Karamazov, dão a Dostoiévski posição de maior escritor  russo juntamente com Tolstoi.

Livros marcantes para jovens de várias gerações - 8

A Laranja Mecânica - Anthony Burgess lançado em 1962.
Narrada pelo protagonista, o adolescente Alex, esta história cria uma sociedade futurista em que a violência atinge proporções gigantescas e provoca uma resposta igualmente agressiva de um governo totalitário. A estranha linguagem utilizada por Alex - soberbamente engendrada pelo autor - empresta uma dimensão quase lírica ao texto. Ao lado de 1984, de George Orwell, e Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley, 'Laranja Mecânica' é um dos ícones literários da alienação pós-industrial que caracterizou o século XX.
(sinopse do site da Livraria Cultura)

Graças a Stanley Kubrick no Brasil o  filme é mais conhecido  que o livro.  Liberado no país apenas em  1978 e  com  "bolinhas" da censura brasileira, A Laranja Mecânica é de 1971. Malcolm McDowell interpreta Alex, o protagonista.
Laranja Mecânica tornou-se um clássico do cinema mundial e um dos filmes mais famosos e influentes de Kubrick.

Livros marcantes para jovens de várias gerações - 7

Admirável Mundo Novo - Aldous Huxley.
Publicado em 1932  narra um hipotético futuro onde as pessoas são pré-condicionadas biologicamente e condicionadas psicologicamente a viverem em harmonia com as leis e regras sociais, dentro de uma sociedade organizada por castas. A sociedade desse "futuro" criado por Huxley não possui a ética religiosa e valores morais que regem a sociedade atual. Qualquer dúvida e insegurança dos cidadãos era dissipada com o consumo da droga sem efeitos colaterais chamada "soma". As crianças têm educação sexual desde os mais tenros anos da vida. O conceito de família também não existe. (Wikipédia)

O filme adaptado  da obra
Admirável Mundo Novo (Brave New World)
Direção: Leslie Libman e Larry Williams.
Roteiro: Dan Mazur e David Tausik adpatando livro de Aldous Huxley.

Lançamento: 1998.
Elenco: Peter Gallagher, Leonard Nimoy, Tim Guinee, Rya Kihlstedt, Sally Kirkland, Patrick J. Dancy, Daniel Dae Kim, Miguel Ferrer.

Livros marcantes para jovens de várias gerações - 6

On The Road, pé na estradaJack Kerouac
Lançado nos USA em 1957 é considerado a obra prima de J. Kerouac. O livro que influenciou, principalmente, a geração dos anos 60.
A partir da viagem  dos jovens Sal Paradise e Dean Moriaty atravessando o país de costa a costa o  autor mostra aos leitores o  lado B do  sonho americano. O livro influencia a música, os hippies e posteriormente o movimento punk.
Sobre o  filme On The Road, inspirado no livro On The Road:
http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u52488.shtml

Próximo livro: Admirável Mundo Novo, Aldous Huxley

domingo, 7 de fevereiro de 2010

Livros marcantes para jovens de várias gerações - 5

O Diário de Anne Frank
A holandesa judia conta a rotina de sua família durante a ocupação nazista. anne Frank morre aos  15 anos num  campo de concentração para onde foi mandada em Berger-Belsen.
Publicado pela primeira vez em 1947   é um  dos mais traduzidos  no mundo.

Próximo livro: On the road, pé na estrada.

Livros marcantes para jovens de várias gerações - 4

Os Sofrimentos do Jovem Werther - Goethe, 1774; obra narrada na primeira pessoa onde Goethe  coloca um pouco  de si.  O livro é marco  do romantismo.
Werther vive um  amor aparentemente não  correspondido por Charlotte, noiva de Albert, que o leva ao  suicídio.  O protagonista envia, por longo  tempo, cartas ao narrador Wilhelm.. etc etc..

Próximo livro:

sábado, 6 de fevereiro de 2010

Livros marcantes para jovens de várias gerações - 3

Romeu e Julieta - Shakespeare ,peça teatral escrita entre 1591 e 1595 um clássico universal que conta a trágica história de dois amantes separados por famílias rivais.  Juntamente com Hamlet é das obras mais encenadas no mundo. Obra transformada em  livro e em  filme.
No  Brasil a primeira encenação teve como protagonistas, os atores: Paulo Porto e Sonia Oiticica.
Para o  cinema, Franco Zefirelli fez magistral adaptação  em 1968 e já nos anos 2000 Luhrmann traz Romeu e Julieta para a atulaidade.




Óleo de Frod Madox Brown-1870 
Próximo livro: Os Sofrimentos do Jovem Weiter - Goethe

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Livros marcantes para jovens de várias gerações - 2

Medo e Delírio em Las Vegas - uma jornada selvagem ao  coração do  sonho americano - Hunter S.Thompson
Inicialmente publicado na revista Rolling Stone em 1971, foi  editado no  Brasil  pela editora Conrad. Medo e Delírio em Las Vegas é a busca ensandecida pelo verdadeiro Sonho Americano – uma jornada terrível, acompanhada por Rolling Stones, LSD, Jefferson Airplane e a paranóia dos EUA de Richard Nixon, rumo ao coração do deserto, pulsando hipnotizante com o seu neon.
Hunter S. Thompson é o mais conhecido autor  de jornalismo  gonzo e esse livro o principal exemplar.
Adaptado para o cinema por Terry Gilliam em 1998 é estrelado por Johnny Depp e Benicio Del Toro





Próxima postagem: Romeu e Julieta

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Livros marcantes para jovens de várias gerações. 1

A Volta Ao Mundo em 80 dias - Julio Verne, foi escrito  em 1873; no  cinema as versões de 1956 e 2004 são as mais populares.
Respeitável, calmo misterioso  e bastante rico inglês chamado Phileas Fogg   um dia,aposta 20.000 Libras com os seus amigos do Clube Reform que ele conseguirá dar a volta ao mundo em 80 dias. Ninguém acredita nele, mas a aposta está feita e Phileas Fogg deixa Londres nessa mesma noite juntamente com o seu novo empregado Francês Passepartout. Phileas Fogg não parece ter dúvidas sobre o seu sucesso e parece que têm todos os acidentes e dificuldades previstos. Na mesma ocasião, contudo, uma grande quantidade de dinheiro é roubado do banco de Inglaterra e a Polícia suspeita de Phileas Fogg. O Detective Fix espera prender Phileas Fogg antes de ele ter gasto todo o dinheiro… Enquanto lê o livro o leitor é forçado a pensar quem é Phileas Fogg – um grande homem ou um ladrão profissional … O livro é vulgarmente reconhecido como literatura juvenil,mas, é também uma literatura agradável para adultos. Usando todos os meios de transporte da época: vapores, trens,carruagens, trenós,iate,barco  comercial e elefante,Phileas Fogg e o seu empregado conseguem fazer  a volta ao mundo com o  roteiro: Londres, Suez, do Suez, Bombaim, Calcutá,Hong Kong,Yokohama,  S. Francisco,  Nova Iorque e de Nova Iorque para Londres. A obra reflete o espírito da época em que foi escrito – o poder do Império Britânico que detinha a Índia e Hong Kong, e também o primeiro trem transcontinental Americano, a ligação dos caminhos-de-ferro indianos e a abertura do canal do Suez tornaram a viagem efetivamente possível e muitos ricos e excêntricos de facto deram a volta ao mundo.

Próximo livro: Medo e Delírio  em Las Vegas


segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

O Começo (Depoimento de Cris Bauer - Comunidade LivroErrante)

Mais que um passa-tempo


O que ia fazer ali, ninguém entendia muito bem. Nem os amigos mais próximos, nem a moça que tomava conta da biblioteca. No início, era tímida. Chegava como quem não quer nada, me perdia no meio das estantes e esquecia que o tempo controlava a vida. Aos poucos fui ganhando intimidade e me apresentando aos autores. “- José de Alencar, eu sou a Cris.” Escolhia os livros com curiosidade inocente, lendo alguns trechos sem recomendação. Lia e ia montando minha própria lista de indicações.


A biblioteca era quase no porão e as largas janelas não eram suficientes para acabar com o cheiro de mofo. A alergia atacava, mas aquele clima de coisa antiga e cheia de segredos me atraía também quando estava triste, cansada, aborrecida ou simplesmente com preguiça de correr pelo pátio, subir árvores ou pular elástico. Escolhia cuidadosamente os livros que levaria em minha fuga de casa - Sempre que brigava eu fugia de casa para uma cabana construída com lençóis no meu quarto. Me “mudava” levando apenas um abajur, meu travesseiro, um colchonete e uma pilha de livros.


Não, eu não era uma criança solitária. Pelo contrário. Já cultivava amizades que durariam décadas. Vivia cercada de outras crianças, tão barulhentas e criativas quanto eu. Andava de bicicleta, brincava de pique, participava de ginganas e ensaiava coreografias para shows. Mas gostava desses momentos de solidão que eu considerava “adulto”. Achava que no ano 2000 eu seria uma velha de 24 anos. Planejava ser astronauta, cantora (risos), milionária, espiã, piloto de teste ou trabalhar no Carrefour (queria andar de patins o dia inteiro – que emoção seria!). Entre as cem vidas que tinha a escolher, gostava de pensar que poderia viver todas. Mas, no instante seguinte, recuava mil passos. E então, era como se não pudesse viver nem a minha.


A bibliotecária vivia numa dúvida cruel entre me podar as leituras ou incentivar o gosto precoce. Achava que alguns livros só poderia ler no segundo grau – eu estava na quarta série. Me mudei no ano seguinte e novamente comecei minha jornada: nova cidade, novas estantes, novas brigas. A bibliotecária do colégio não entendia minha angústia, mas a biblioteca pública era na esquina da minha casa, ou a minha casa era na biblioteca pública. Ali ninguém vigiava. Que estranho era alguém amolar quem só queria ler livros! O que poderia haver de tão importante em uma garota lendo um livro?



Tinham medo que o desgosto que me levava à biblioteca fosse maior do que simplesmente orgulho ferido. Algo que perpassava todo o resto e que não sabiam explicar. Um olhar triste de nostalgia, encarando a fresta por onde lhe escapava a alma. Até os momentos mais alegres vinham acompanhados de certa melancolia - saudade deslocada no tempo. Não conseguiam ver que eu estava apenas vivendo a história alheia. Eu era feliz, era normal... só tinha um gosto peculiar pela leitura.

Tudo isso é só para contar que ontem ganhei um livro. Uma simples quinta-feira de prova, e eles ainda lembraram de mim. Rapazes, very thanks!!! Estarei mais um vez mergulhando em uma viagem pelo mundo. Conhecendo novas pessoas, novas vidas, novos lugares, um novo aprendizado. Mas volto para almoçar com vocês.

(Cedido na íntegra pela Cris)

Viciada, confesso.

Eu, regina P. viciada... confesso. A frase termina em  viciada mesmo. Explico antes que  alguém me suponha drogada: sou  apenas viciada. Chocólatra com  longos períodos  sem cacau e viciada em  livros. Leio um na cola de outro tal  qual fumante inveterado que acende o  segundo na bituca do primeiro. Fumo livros, é isso. Não posso  ler notícia a respeito  que já fico querendo  conecer aquele livro e ou  autor. Agora mesmo recebo de letícia a notícia da morte, aos 75 anos,do autor argentino Tomás Eloy Martínez, veiculada na Folha de São Paulo. Arrepiei!! Não  conheço o autor. Pior, muito  pior: nunca ouvi  falar. Beteu sentimento  de ignorância. Não  sei  de onde tirei a ideia de que devo  conhecer todos os autores do mundo. Ok, pode rir. Faz parte do  vício.  Vou ao  site e encontro seus livros:
Purgatório:
Relato sobre a ansiedade de reencontrar um amor perdido e a possibilidade reconstruir a vida interrompida por um regime cruel. O escritor avança entre o real e o ilusório.

Bateu vontade?  não? Pois em mim bateu curiosidade imansa.... entendeu enfim, meu  vício?

Se você já leu Purgatório, citado acima ou algum  dos que listo a seguir, diga o  que achou. Desconfio seriamente que vou terminar lendo, caso alguém faça boa recomendação  de algum.
Obras de Tomáz Eloy Martínez
Purgatório - Cia das letras 2009,R$34,40
A Mão  do Dono - Cia das letras 2008,R$36,00
O Cantor de Tango -  Cia da letras 2004,R$44,50
O Vôo da Rainha - Ed.Objetiva 2002,R$39,90
Santa Evita - Cia das letras 2006, R$47,00

(Preços livraria da Folha)