domingo, 21 de novembro de 2010

Domingo Cordel

Minhas musas do Olimpo,
Peço a vós, inspiração.
Iluminem a minha alma,
Pra narrar com precisão
Uma história muito triste
De uma seca que persiste
Na caatinga do sertão.


Ventos supremos bravios,
Varrendo Areia Dourada,
Na negra manhã de maio,
Com a rua poeirada
Essa cidade  Paulista,
Areia dourada lista
No mapa, bem na beirada.


O sol estava por vir,
Os galos eram vergados,
Sentindo a força dos ventos
Uns eram arrebentados.
ao som da verde folhagem,
Num ritmo muito selvagem,
Rangiam, sendo açoitados.

(O coronel avarento Josué Gonçalves, Ed. Luseiro)