Pular para o conteúdo principal

O Amor Estranho, José Fernando dos Santos

Quando uma relação se torna surpreendentemente estranha, como distinguir entre realidade e fantasia?


                                    ***
O relógio marcou onze horas e ele nada. Ela já estava ficando preocupada. Ele nunca havia demorado tanto desde o dia em que se casaram. O telefone do escritório estava mudo. Ela ligou, mas ninguém atendeu. Andava de um lado para o outro do quarto, fumando o último cigarro do maço quando ouviu o barulho da chave na porta da sala. Ele trancou a porta, passou pela sala e entrou no banheiro social. Ela ficou parada, olhando pela porta, preparada para indagar, interrogar, xingar talvez. Ouviu o som da urina caindo no vaso. Vai ver ele bebeu muita cerveja, pensou. Ele deu a descarga, apagou a luz e veio para o quarto. Os dois ficaram estáticos, olhando um para o outro, ambos surpresos. Ela pensou em gritar, pedir socorro, mas temeu que ele cometesse algum ato de violência. Permaneceram em silêncio por um instante, até que ele arriscou:
– Quem é você?
– Eu? - disse ela.
– Você... O que está fazendo aqui?
– Estou na minha casa.
– Sua casa? Quem mora aqui sou eu. Eu e minha mulher. Aliás, onde é que ela está?
– Eu é que vou saber? Deve estar na sua casa, onde mais?
– Mas este é o meu apartamento. O meu lar. Este é o meu quarto e aquela é a minha cama.
– Sua cama?
A conversa continuou sem nenhum sentido. As palavras pareciam vazias para ambos, sem significado algum. É um absurdo - pensava ela. Mas ele se comportava com total naturalidade, como se fosse realmente o dono da casa.
– Vê? Este é o meu guarda-roupa. E aqui estão meus ternos, minhas camisas... Daquele lado ficam as roupas da minha mulher.
– Minhas roupas...
Ele ficou embaraçado, pois ela parecia mesmo ser a dona da casa e demonstrava total intimidade com o ambiente, principalmente dentro daquela camisola de seda preta, que parecia ter sua medida exata.
– Aqui estão as minhas saias, meus vestidos e blusas - disse ela, abrindo o outro lado do guarda-roupa.
Ele sentou-se na cama e passou as mãos pelo rosto até os cabelos. Tentava buscar uma explicação satisfatória para o que estava acontecendo, mas por mais que se esforçasse não conseguia. Havia bebido um pouco, é verdade, mas não o bastante para delirar. Ela então percebeu que ele estava tão confuso quanto ela mesma e resolveu aliviar toda aquela tensão provocada pelo inusitado incidente.
– Você tem um cigarro?
– Eu não fumo.
– Meu marido fuma.
– Mas eu não sou seu marido.
– E quem é você, afinal?

 
Voltaram à questão anterior e ela ficou ainda mais preocupada, pois se o marido chegasse de repente em casa e a encontrasse com um estranho sentado em sua cama, o casamento certamente iria por água abaixo. No mínimo ele aprontaria um escândalo.
– Vamos por etapas - o estranho sugeriu. - Você descreve o seu marido e eu descrevo a minha mulher. Vai ver um de nós dois confundiu o apartamento e o outro possa ajudá-lo a encontrar o endereço certo? Esses conjuntos residenciais são tão parecidos, não acha?
– Bloco B - ela disparou.
– Bloco B?
– É. Bloco B, apartamento 203. É onde eu moro.
– Mas é exatamente o meu apartamento.
Aí a coisa ficou mais confusa ainda. Pior foi quando ela tentou falar sobre o marido e descobriu que não conseguia se lembrar exatamente como ele era.
– Não se lembra da cara do seu próprio marido?
– Acho que não.
– Quem sabe eu posso ajudar? Ele é louro ou moreno?
– Não sei. Não me lembro.
– E o nome dele?
– O nome?
Piorou de vez. Ela também não sabia o nome do marido. Não se lembrava de nada que lhe dissesse respeito.
– Você deve sofrer de amnésia. Não se lembra de coisa alguma e entrou no apartamento errado. Pode ser só uma crise de estresse. Pior é se a minha mulher encontra você aqui a esta hora e de camisola.
– Sua mulher!
– O que tem ela?
– Como é que ela é? Como se chama?
Ele se esforçou e então percebeu que também não sabia nada sobre a própria esposa.
– Ela é loura ou morena? Magra ou gorda?
Ele realmente não se lembrava. Nem do nome, nem do rosto, nem mesmo da cor dos cabelos. Pensou em consultar a aliança onde certamente o nome estaria gravado, mas se lembrou de que a deixara trancada numa gaveta da mesa de trabalho.
– Sua aliança.
– O que tem a minha aliança? - ela quis saber.
– Deve ter o nome do seu marido.
– Ah, sim, a aliança. Bem, eu não uso aliança.
– Não usa aliança?
– Eu a perdi há uns dois ou três meses. E a sua, onde está?
– Eu a deixei na gaveta da minha mesa, lá no escritório. É meio apertada e com esse calor me incomoda muito - disse ele, afrouxando a gravata.
– Você precisa ir buscá-la. Temos que resolver esse assunto o quanto antes.
– Mas o prédio onde eu trabalho já deve estar trancado. Só vai abrir amanhã, às sete e meia.
Os dois se angustiaram ainda mais. Ele então saiu do quarto e se dirigiu à cozinha. Ela foi atrás, exigindo que ele fosse embora.
– Ir embora, eu? Mas este é o meu lar... Comprei estes móveis, pago o aluguel. Você é que é a intrusa.
– Intrusa, eu?
Ele colocou um copo de vidro sobre a pia e pegou a garrafa de café. Percebeu que estava vazia.
– Não tem café?
– Claro que não. Eu não fiz.
– Não fez café? Mas que tipo de esposa é você, afinal? Seu marido chega cansado do serviço e não encontra um café quentinho?
– Só faço café pela manhã e bebo tudo sozinha. Meu marido detesta café.
– Ah, disso você se lembra, não é?
– É, você tem razão. Disso eu me lembro.
– Não faz mal, pois eu adoro café.
– E acha que eu sou sua empregada para fazer café a uma hora dessa? Olha, cara, por que é que você não vai dormir num hotel? Amanhá você volta e a gente esclarece tudo isso.
– Eu, dormir num hotel? Nunca, minha filha.
Foi então que ele teve uma idéia que considerou interessante. Sugeriu que ela buscasse o álbum de retratos. Assim, ela se lembraria do marido.
– Não está aqui - disse ela.
– Não está? Mas como não?
– Emprestei pra minha mãe e ela ainda não devolveu.
– E a certidão de casamento?
– A certidão? Nossa, a certidão... Ela foi junto, é que eu guardo ela dentro do álbum.
Ele se lembrou de onde ficava o seu álbum de fotografias e correu para o quarto, sendo seguido por ela.
– O que você tá procurando?
– Vou provar que este é o meu apartamento e que foi você quem errou de endereço.
Revirou as gavetas da cômoda.
– Não adianta procurar - ela disse. - Eu emprestei pra minha mãe.
– Não estou procurando o seu álbum de retratos e sim o meu. Meu e de minha mulher.
Não encontrou nada e começou a pensar na possibilidade de estar vivendo um pesadelo. Beliscou o próprio rosto diante do espelho e confirmou que não estava sonhando.
– Não pode ser - suspirou. - Uma coisa dessas não acontece nem no cinema. Alguma coisa está errada ou um de nós enlouqueceu.
– Claro que tem algo de errado, mas se alguém enlouqueceu esse alguém é você.
– Você ainda não me disse o seu nome.
– Sônia. E o seu?
– Eu me chamo Walter.
– Muito prazer.
Apertaram as mãos e ficaram sentados na cama, em silêncio, completamente amuados.
– Minha mulher não se chama Sônia, disso eu tenho certeza. Eu acho...
- Eu também não conheço nenhum Walter.
– Tem certeza de que não se lembra do nome do seu marido?
– Absoluta.
Ela sentiu um arrepio percorrer-lhe o corpo e começou a chorar. Ele acabou abraçando-a, ternamente.
– Ora, ora, mas o que é isso? Também não precisa ficar assim.
– Alguma coisa está errada com a gente e não conseguimos saber o que é - ela soluçou.
Ele acariciou os cabelos negros e longos.
– Talvez um simples telefonema possa resolver o caso - sugeriu.
– Telefonema?
– É. Liga pra sua mãe e pergunta o nome do seu marido, como é que ele é...
– Mamãe não tem telefone e se tivesse eu não ligaria. Ela ia pensar que eu fiquei maluca.
Ela chorou novamente.
– Calma, isso não adianta.
– E você, por que não liga para alguém?
– Pelo mesmo motivo. Vão pensar que eu endoidei de vez.
– E se chamássemos os vizinhos?
– A uma hora dessa? Tá maluca? E o que iríamos dizer a eles?– Meu Deus, o que vamos fazer?
– Eu acho que você tem razão. Melhor eu ir para um hotel.
– E eu vou ficar sozinha?
– Até seu marido chegar, ora bolas.
– E se ele não chegar mais? E se você for mesmo o meu marido e nunca mais voltar pra casa?
– Eu? Eu não sei mais o que fazer...
Ficaram calados novamente até que ele começou a tirar a roupa.– O que você tá fazendo? - ela perguntou.
– Estou com sono.
– Sono?
– Tive um dia duro e amanhã vou ter que levantar cedo.
Ele ficou só de cuecas e enfiou-se sob os lençois.
– Tenha uma boa noite - virou-se para o canto.
Ela ficou ainda mais confusa e angustiada. Olhou o relógio sobre a cômoda e viu que já passava da meia noite. Foi até a cozinha, tomou um copo d'água e voltou para o quarto. Notou que havia algo agradavelmente familiar naquele homem que ressonava deitado em seu leito. Fez um novo esforço de memória, mas não conseguiu se lembrar de nada sobre o marido. Seja o que Deus quiser, pensou. Apagou a luz, enfiou-se sob os lençóis e ficou mirando o escuro do quarto.
Walter se moveu e suas pernas a tocaram levemente. Ela pôde sentir os pelos, o calor de suas coxas, a ponta do joelho entre as pernas. Por um momento pensou em resistir, sair correndo ou gritando. Mas sossegou. Roçou a perna nas coxas dele e logo foi correspondida. A mão dele escorregou sob as cobertas e tocou-lhe os seios pontudos. Ela se rendeu calmamente. Ele manobrou a cabeça e lhe deu um beijo na fronte. Aos poucos, foi lhe beijando o rosto. Beijou-lhe a boca demoradamente. Amaram-se sofregamente, e nenhum dos dois se lembrou de ter tido tanto prazer como naquela noite. Dormiram profundamente um sono sem sonhos e amaram-se novamente de madrugada, sempre em silêncio, em diferentes posições.
Quando o dia amanheceu, ela acordou, foi até o banheiro e tomou uma ducha. Depois se deitou novamente e ficou olhando aquele estranho que dormia a seu lado. Às seis e meia, ela o acordou com um beijo.
– Você disse que tinha que sair cedo.
Ele tomou um banho, vestiu a roupa e saiu depressa, sem nem mesmo provar o café que ela coou tentando agradá-lo. Ao chegar no escritório, a primeira coisa que fez foi tirar a aliança da gaveta. Pensou em ler o nome, mas resistiu. Entrou no banheiro, jogou a aliança no vaso e deu descarga.


Conheça o autor: http://www.jorgefernadosantos.com.br/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Formiga Boa, Monteiro Lobato

Houve uma jovem cigarra que tinha de chiar ao pé do formigueiro. Só parava quando cansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas.      Mas o tempo passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados passavam o dia cochilando nas tocas.      A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em apuros, deliberou socorrer-se de alguém. Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se foi para o formigueiro. Bateu - tic tic-tic...      Aparece uma formiga friorenta embrulhada num xalinho de paina.      - Que quer? - perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.      - Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu vivo ao relento.      A formiga olhou-a de alto a baixo.      - E que fez durante o bom tempo, que não construiu uma casa?

Era uma vez...Adivinha adivinhão, Luis da Câmara Cascudo

Era uma vez um homem muito sabido, mas infeliz nos negócios. Já estava ficando velho e continuava pobre como Jó. Pensou muito em melhorar sua vida e resolveu sair pelo mundo dizendo-se adivinhão. Dito e feito. arrumou uma trouxa com a roupa e largou-se.      Depois de muito andar, chegou ao palácio de um rei e pediu licença para dormir. Quando estava jantando, o rei lhe disse que o palácio estava cheio de ladrões astuciosos. Vai o homem e se oferece para descobrir tudo, ficando um mês naquela beleza. O rei aceitou.

Clínica de Repouso, Dalton Trevisan

Dona Candinha deparou na sala o moço no sofá de veludo e a filha servindo cálice de vinho doce com broinha de fubá mimoso.      Mãezinha, este é o João.      Mais que depressa o tipo de bigodinho foi beijar a mão da velha, que se esquivou à gentileza. O mocinho servia o terceiro cálice, Maria chamou a mãe para a cozinha, pediu-lhe que aceitasse por alguns dias.     Como pensionista?     Não, como hóspede da família. Irmão de uma amiga de infância, sem conhecer ninguém de Curitiba, não podia pagar pensão até conseguir emprego.      Dias mais tarde a velha descobriu que, primeiro, o distinto já estava empregado (colega de repartição de Maria) e, segundo, ainda que dez anos mais moço, era namorado da filha. A situação desmoralizava a velha e comprometia a menina. Dona Candinha discutiu com a filha e depois com o noivo, que achava a seu gosto a combinação.     Sou moço simples, minha senhora. Uma coxinha de frango é o que me basta. Ovo frito na manteiga.