sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Contados, astuciados,sucedidos e acontecidos do povinho do Brasil (2)- José Cândido de Carvalho

O Virilhista 
José Cândido de Carvalho em: Porque Lulu Bergantim Não Atravessou o  Rubicom
   

      No Beco da Cangalhas em Açu do Livramento, depois de muitos anos de não  ver e nem  falar, Bem-Bem Barbosa deu de cara com o  compadre Nonô Cruz que para trás de muito  tempo tinha sido cometa de uma firma de panos e carretéis em Sapucaí do Barro Vermelho. Conversa foi, conversa veio. Nonô quis saber como andava a comadre Anerbina Barbosa:
     - Como vai a obrigação, compadre Barbosa? ainda muito dada a comer grumixama e jabuticaba?
     - Bem-Bem tirou o chapelão de pegar boi a unha, transitou o lenção pela testa e aninhou na orelha do compadre Nonô Cruz o seguinte pé de conversa:
     - Desmanchei o compromisso. Nunca que botei sua comadre em  estado de nove meses. Perdi para mais de vinte barrigas. Anerbina empazinava, empinava  o imbigo, mas tudo em  rebate falso. Menino para cueiro é que não  vinha a furo. Comprei um livro de safadeza e até seus corredores de baixo joguei na mão do doutor de preço, coisa que um Barbosa nunca fêz em  derredor de duzentos anos, por ser uma sem-vergonheira de fazer meu  finado bisavô Pantaleão espumar na sepultura. Sem poder largar um  Barbosinha no mundo, deliberei desatar o casamento e remeter Dona Enervina, sem o  Barbosa, para o sertão do pai, reforçada de dinheiros do Banco Hipotecário e mais a têrça parte dos meus herdados.
     E na despedida, com a mão mateira na mão de vender chitas de Nonô Cruz:
     - Pois é, compadre. fui muito infeliz de virilha.

(Do livro: Porque Lulu Bergantim Não Atravessou o Rubicom - Ed.José Olímpio 1971)

Obs. optei por manter a grafia original