quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Nossa Estante...

A Doçura do Mundo, Thrity Umrigar
A Louca da Casa
, Rosa Montero

Eu receberia As Piores Notícias dos Seus Lindos Lábios,Marçal Aquino
A Casa de Papel,Carlos Maria Dominguez
A Festa do Bode,Vargas Llosa
A Herdeira Veneziana, Fulvio Tomizza
A Jogadora de Go,Shan Sa
A Morte do Gourmet, Muriel Barbery
O Quarto do Bispo, Piero Chiara
O Último Leitor, David Toscana



A Catedral do Mar , Ildefonso Falcones
Viagem de Théo, Catharine Clément,
A Doce Canção de Caetana, Nélida Piñon
O Compromisso,Herta Müller
Anjos e Demônios,Dan Brown
Antes, O Verão,C.Heitor Cony
Breviário da Terra do Brasil, L. A. de Assis Brasil
Caminhos de Pedras,Rachel de Queiroz
Canibais, Paixão e Morte na Rua do Arvoredo, David Coimbra
Clara dos Anjos, Lima Barreto

Colecionador de Sombras (O), João Batista Melo
Crocodilo Sonhador ,Vanda Amorim
Eita Gota, Uma Viagem Paraibana,Efigênio Moura
Fios da Memória (Os),Adriana Lisboa
Gato Sou Eu (O),Fernando Sabino
Imaginária (A),Adalgiza Nery
Minúsculos Assassinatos e Alguns Copos de Leite ,Fal Azevedo

Montanha Russa, Martha Medeiros
Na Multidão,Luiz Alfredo Garcia-Roza
Olha Para o Céu Frederico , J. C.de Carvalho

Primeiras Estórias,Guimarães Rosa
Rakushisha,Adriana Lisboa
Uma Sombra Na Parede, Josué Montello
Amor Não Tem bons Propósitos (O), Raimundo Carrero
Lenda dos Cem (A), Gilvan Lemos
Poemas Pernambucanos, João Cabral de Melo Neto
Prata do Tempo, L.Wierzchowski
Querô Uma Reportagem Maldita , Plínio Marcos
Borboleta Tatuada - Philip Pullman

Eu sou o Mensageiro - Markus Zusak

Código Da Vinci, Dan Brown
Ponto de Impacto, Dan Brown
A Hora da Estrela,Clarice Lispector
Coração em Cinzas,Adeline Yen Mah
Doze Dias,Victor Sebestyen
Ensaio Sobre a Lucidez,Saramago
Coração tão Branco,Javier Marías
Morangos Mofados, Caio Fernando de Abreu
Onze Contes, Moore Meiden
Noites Brancas e Outras histórias,Fiódor Dostoievski


Intermitências da Morte, José Saramago
Leite Derramado,Chico Buarque
Maria de Sanabria, Diego Bracco

O Sol dos Scorta, Laurent Gaudé
Stonehenge, Bernard Cornwell
Um Toque na Estrela, Benoît Groult
Rio das Flores, Miguel Sousa Tavares
Belas Mentiras, Lisa Unger
O Que Cabe Em Duas Malas, Veronika Peters


Mentiras no Divã, Irvin D.Yalon
A Cura de Schopenhauer –Irvin D. Yalon
Benjamin – Chico Buarque
O Ciclo das Águas, Moacyr Scliar
As Noites e os Dias,Ronaldo Brito
O Emblema da Amizade,Jacques Bonnet
O Rei Pasmado e a Rainha Nua – GonzaloTorrente Balester

Panteleão e as Visitadoras Varga Llosa
Pai e Filho, Filho e Pai –Moacyr Scliar
Sobre Heróis e Tumbas –Ernesto Sábato

Satiricon,Caio Petrônio -
A Casa dos Budas Ditosos,João Ubaldo Ribeiro
Trópico de Câncer,Henri Miller
O Amante de Lady Chatterley, D. H. Lawrence
Pequenos Pássaros:Histórias Eróticas,Anaïs Nin
Dama da Noite, Alita Sá Rego
Delta De Vênus – Histórias Eróticas – Anais Nin
Crucificação Encarnada, Henri Miller
Sex Shop,Gisele Rao

A Bela da Tarde,Joseph Kassel
O Amante, Marguerite Duras
Henry & June, Anaïs Nin
As Façanhas de um Jovem Don Juan,Guillaume Apollinaire
Lolita - Vladimir Nabokov
Fanny Hill: Memórias de Uma Mulher de Prazeres,John Cleland
Medo de Voar ,Erica Jong
The Mamooth Book of New Erotica,Maxim Jakubowski
The Mamooth Book of Short Erotic Novels,Maxim Jakubowski
Giovanni - James Baldwin

Encerramos felizes

Nós da comunidade Livro Errante encerramos o ano de 2009 numa felicidade só. Estamos com  bastante livros  em  circulação, os grupos formados estão com bom andamento, alguns em  fase final, os leitores novatos, adaptados, entraram no  vício da leitura, o  grupo Amigo Oculto está dependendo  apenas da entrega dos Correios porque todos enviaram seus  presentes e os livros dados  serão  cedidos pelos  donos para leitura dos  demais membros em 2010 e o grupo Saideira teve a maior adesão desde que começou. Este grupo já tem  vários livros nas mãos do  terceiro leitor, apesar de ter iniciado no  dia 5 de dezembro.
Encerramos, portanto, com saldo positivo. A pequena comunidade Livro Errante só tem a comemorar.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Feliz Natal

Praça do entroncamento - Recife

Feliz Natal.

Do Canavial à Faculdade de Medicina ( primeira parte)

Do jeito que a gente aprende no colégio, o solo massapê é aquele fertilíssimo, ideal para plantar cana de açúcar. A gente só não vê nos livros que esse mesmo plantio pode prender, aprisionar o homem à terra, explorando uma mão de obra que, muitas vezes, não vê outro horizonte que não o monte de terra roxa. Uma sina de muitos pernambucanos. Uma história repetida há séculos na Zona da Mata no estado. Mas Jonas Lopes da Silva, de 24 anos, nascido em Palmares e criado em Joaquim Nabuco, abandonou essa geografia de escravidão. Deixou para trás essa herança de desesperança. Foi cortador de cana de açúcar ao lado dos pais até os 15 anos de idade. Hoje, aos 24, colhe uma riqueza de verdade: a aprovação no vestibular de medicina da Universidade de Pernambuco, um dos mais concorridos do estado (são 34,15 candidatos disputando uma vaga).
Foto Ricardo Fernandes DP/D.A Press
Jonas iniciou e concluiu a educação na rede pública aos 20 anos de idade. Atrasou dois anos em relação à maioria das crianças porque desistiu de estudar. "Eu era briguento e brincalhão. Também um pouco revoltado", justifica Jonas. Deixou de ir à escola na quinta e sexta série do antigo primeiro grau. Tinha em torno de 12 anos. Nesse tempo, andava ao lado da mãe, pelo canavial. De tanto vê-la derrubar e embolar cana, foi repetir a sina. Trabalhou em condições degradantes, um crime contra os direitos humanos previsto nos artigos 240 e 241 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). "O sol era escaldante e minhas costas doíam", lembra Jonas, tocando a cicatriz na mão direita. "Nunca fui obrigado a nada. Mas as coisas eram muito difíceis", lembra. Jonas é o quinto filho de uma prole de sete do pedreiro José Lopes, de 56 anos, e da trabalhadora rural Edileusa Maria, de 50 anos.

Além de Jonas, apenas o caçula da família, Renato, de 20, completou o ensino médio. Outros quatro largaram os estudos para trabalhar. "Minha mãe foi acabada pela cana de açúcar. Foi massacrada pelo destino. Minha avó até hoje se arrepende de ter tirado o sonho dela, de ter tirado ela da escola", conta Jonas. "Então, quando meu pai me disse que se eu não estudasse, eu iria cortar cana, fiquei danado. Daí para frente disparei. Fui aluno laureado no 1º, 2º e 3º ano", orgulha-se o rapaz, que salvou na memória afetiva, da pracinha de Joaquim Nabuco, os nomes dos professores da época. "Tive Alex, de matemática, e três professoras que foram mães. Dona Eulália, de história, dona Risonete, de português, e Elian, de geografia", recorda.

Foram quatro anos de tentativas, até a aprovação na UPE. Na primeira, em 2006, ainda morando em Joaquim Nabuco, levou ponto de corte. "Senti todas as carências do ensino público aí. Pensei em pedir emprego na prefeitura", afirma. Em 2007, recuperou o "prejuízo". Passou em um concurso do IBGE para ser agente do censo. Realizou o trabalho, mudou-se para Jaboatão (onde mora a irmã mais velha, Márcia) e pagou um curso pré-vestibular com o dinheiro que guardou. "Eu escutava falar muito de vestibular no rádio. Aí, já sabendo que para a minha condição social passar em medicina era difícil, decidi investir nesse curso, em um colégio famoso da capital", recorda o jovem, criado no bairro de São Miguel, que ele chama de "Coque de Joaquim Nabuco". "As pessoas diziam que eu nunca ia passar porque era pobre". Ele não acreditava nisso, mesmo reprovado pela segunda vez, no vestibular de 2007. "Aprendi a lutar com a dor da minha mãe e com a sabedoria do meu pai. São dois filósofos, apesar da dureza. Sempre ouvi deles que eu deveria me dar bem com Deus e o diabo", reproduz.

Do Canavial à Faculdade de Medicina - (final)

    Sentindo-se cada dia mais desafiado, Jonas procurou em 2008 um curso de matérias isoladas. "O nível de exigência do aluno era maior. Mas era o que eu precisava. Conheci o professor Vieira Filho, fiz teste para uma bolsa 100%, mas só consegui desconto. Eu pagava R$ 190, por cinco disciplinas, ainda com o que sobrou do IBGE", conta o rapaz, que nesse tempo mal se mantinha acordado nas aulas e nos ônibus (quatro por dia). "Sofri em silêncio", desabafa. Jonas ficou na lista de remanejamento, por 13 pontos. Bastaria que duas pessoas desistissem, o que não aconteceu.

Além de aprender biologia, física e química, Jonas teve que aprender a brincar. A exemplo de um dos seus "mestres", o poeta Fernando Pessoa, criou heterônimos. Personagens dele mesmo. Pequenas histórias autobiográficas. O mais conhecido é João, um menino que adora tirar fruta do pé. "Uma vez João me disse para eu não ficar triste. Falou que quando eu passasse, eu ia para casa, comer manga e chupar picolé", brinca Jonas. "Eu fui fazer as provas este ano de mãos dadas com Deus e João", ressalta. Outra coisa: Jonas nunca brinca sozinho. "Converso com os meus mestres, Franz Kafka, Josué de Castro, Machado de Assis, Mozart, Bach e João Cabral de Melo Neto", cita alguns.

Para encurtar os gastos com as passagens de ônibus, as despesas na casa da irmã e o cansaço, Jonas conseguiu uma vaga na Casa de Estudantes de Pernambuco, no mês de abril deste ano. "O acolhimento foi imediato", declara. "Além disso, fui atrás novamente de uma bolsa integral e consegui, através do professor Fernandinho e companhia", fala Jonas, agradecido como se falasse de "deuses". Era tudo ou nada este ano. Foi tudo. Jonas conseguiu a aprovação pelo sistema de cotas (que reserva 20% das vagas para alunos egressos da rede pública), com a pontuação 532,25. E foi também o começo. Jonas já faz planos para comprar os primeiros livros (Prometheus, Atlas de Anatomia e Harrison: Medicina Interna) com o dinheiro de um novo concurso do IBGE. Também já aprendeu no corredor da UPE que "a arte na medicina às vezes cura, de vez em quando alivia, mas sempre consola".

(Matéria publicada no Diário de Pernambuco - 23/12/2009)

sábado, 19 de dezembro de 2009

Cordel de Natal - Terê Penhabe


no nosso mundo, o Natal.
Que traga muita alegria
essa festa universal
calorosa e abrangente
que envolve a toda gente.

A maior da cristandade
de brilhos, de som e cores
inspira a fraternidade
paz, amizade e amores.
É pena que não resista
e para sempre persista.

O bom velhinho que mostra
vestido com primazia
chamam-no Papai Noel,
das crianças é a alegria
nunca vi ou passei perto
mas acreditei, é certo.

Porém tive a conclusão
que se não o encontrava
se em casa ele não vinha
é que na neve ele estava,
bem longe do meu rincão
mesmo assim, no coração.

Passei a vida querendo
encontrar o tal lugar
tão mágico e tão branquinho
que o velhinho deve estar.
Mas velha acabei ficando
e continuo esperando.

É preciso dar presentes
enquanto tem a quem dar
porque um dia eles se vão
não adianta lamentar
mesmo havendo controvérsia
sobre toda essa conversa.

Uma versão que li hoje
deixou-me estupefata...
Seria o Natal somente
troca de nomes mais nada
da grande festa de Mitra
deus sol da Roma antiga?

O papa Julio primeiro
mudou toda a convenção
transformando o Natal
(a festa do deus pagão)
na data que era preciso
pro nascimento de Cristo.

Porém de qualquer maneira
nessa parte pitoresca
a história toma seu rumo
já aqui ninguém contesta
que nasceu entre os judeus
Jesus, o filho de Deus!

Não se pode renegar
tudo o que nos ensinou
tal o penhor da sua vida
o exemplo que nos deixou.
Então agora é com a gente
ser borboleta ou serpente.

Na sua remota origem
claro que o Santo Natal
foi sempre pura magia...
Se mudou seu ritual
não mudou a emoção
que nos toca o coração.

A competência é dele
de nos fazer renascer
a obrigação é nossa
de tentar compreender
toda essa lição de vida
sem a qual ela é perdida.

A árvore representa
nossa vida renovada
a chegada de Jesus
foi para isso e mais nada.
mesmo que de antemão
pareça só tradição.

Presentes, há três versões
para se justificar
mas é o ato dos Reis Magos
que me faz presentear
a alguém muito querido
esperado e acolhido.

Seguindo a simbologia
velas indicam a luz
colocadas na janela
para se esperar Jesus,
Hoje nos deixam contentes
entre amigos e parentes.

Teve início na Inglaterra
costume de dar cartão
para levar o recado
que pousa no coração,
Desde que seja sincero
tem validade e eu espero.

Desde os primórdios tempos
a comilança já era
forma de reverenciar
à fome que sempre impera
na parte da sociedade
sem vida de qualidade.

São Francisco de Assis
fez o primeiro presépio
imitado com mil pompas
pelos ricos, não o clero,
que a função foi divulgar
e o povo o reverenciar.

Termina aqui meu cordel
mas não a boa vontade
que possamos algum dia
ter um mundo sem maldade
para tecer meu final:
- A todos: FELIZ NATAL!
Imagem:Roma pra você

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Academia Brasileira de Letras - novos eleitos


Nesta quarta-feira a maior especialista em literatura portuguesa, a carioca Cleonice Berardinelli,  foi  eleita para a cadeira 8 da  ABL, cujo novo presidente é Marcos Vinicius Vilaça.

sábado, 12 de dezembro de 2009

Mais vendidos da semana

Os mais vendidos- Ficção:

1-O Símbolo Perdido,Dan Brown
2-Eclipse,Stephenie Meyer
3-Amanhecer,Stephenie Meyer
4-A Cabana,William Young
5-Crepúsculo,Stephenie Meyer
6-Diários do Vampiro 1 - O Despertar,L.J. Smith
7-Diários do Vampiro 2 - O Confronto,L.J. Smith
8-A Hospedeira,Stephenie Meye
9-Lua Nova,Stephenie Meyer
10-Escolhida,P.C. Cast e Kristin Cast

Os mais vendidos-Não  Ficção:

 
1-Comer, Rezar, Amar,Elizabeth Gilbert
2-Mais Você - 10 Anos,Ana Maria Braga
3-Mentes Perigosas, Ana Beatriz Barbosa Silva
4-Lua Nova - Guia Oficial Ilustrado do Filme Mark Cotta Vaz
5-Honoráveis Bandidos,Palmério Dória
6-O Andar do Bêbado,Leonard Mlodinow
7-Chico Buarque - Histórias de Canções,Wagner Homem
8-Nunca Antes na História Deste País,Marcelo Tas
9-Guinness World Records 2010,Vários Autores
10-Uma Breve História do Mundo,Geoffrey Blainey

(Fonte: Revista Veja)

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Livros no lixo outra vez.

Dezenas de livros, entre eles clássicos da literatura mundial, estavam sendo jogadas no lixo por funcionários da Escola Estadual Ernesto Monte, em Bauru, a 345 km da capital paulista. Os exemplares estavam acondicionados em sacos plásticos e parte deles foi amontoada na sarjeta da calçada da escola, na Praça das Cerejeiras.

Alguns, parcialmente queimados, tinham sido lançados numa caçamba de entulho.

O fotógrafo João Roberto Alcará, de 49 anos, que passava pelo local, ficou intrigado com a cena. Ele fez fotos do que considerava "um descaso com a cultura" e interpelou os funcionários.

Ao verem que ele fazia fotos, os funcionários ainda tentaram arrastar os sacos para o interior da escola. Alcará apanhou alguns exemplares, entre eles o livro "A Escola dos Robinsons", de Júlio Verne, editado em 1938. Um manuscrito na capa indica que a obra tinha sido ofertada à escola, em 1939, por Antonio Garcia. O livro traz ainda o carimbo da biblioteca da escola.


Entre os exemplares queimados, dois eram livros de história natural em francês. Alcará achou absurdo um estabelecimento de ensino se desfazer do que considerava "raridades", jogando no lixo. "Se não interessavam mais à escolas, poderiam ter sido doados a outra instituição", disse.

Procurada, a direção da escola informou que apenas a Secretaria de Estado da Educação poderia se manifestar. Em nota, a Secretaria informou ter determinado à Diretoria Regional de Ensino de Bauru que faça uma apuração preliminar para averiguar responsabilidades e tomar as medidas cabíveis. "É importante destacar que a Secretaria repudia qualquer ação de desperdício do bem público", diz a nota.

(Fonte: agência estado)

Eita Gota, uma viagem paraibana

Igreja da cidade de Monteiro PB
                                                                                                                             
     A distância aproximada de  304Km que separa as duas igrejas acima é percorrida por Efigênio Moura, em Eita Gota, uma viagem paraibana.  Tudo  começa com quando Das Neves vai pagar promessa na igreja da padroeira da Paraíba, levando  consigo o neto.   Depois de subir a ladeira que dá acesso à Basílica de Nossa Senhora das Neves e não ter podido mostrar o mar  a Netinho a avó, na rodoviária, contrata com Agripino a viagem  de volta. A partir do  embarque de Das Neves, Netinho e outros passageiros numa Veraneio 73 azulzinha começa a odisseia da volta à cidade de Monteiro, no Cariri. A distância entre as duas cidades se faz maior porque o  motorista não  tendo  documentos nem  dele nem do carro de motor flex (sabe o que é isso?): gasolina e botijão de gás de cozinha, precisa se desviar dos policiamentos  rodoviários.  Efigênio Moura , foi muito  feliz  na forma de separar os capítulos do livro; no uso da linguagem incorreta e usual dos personagens; na descrição da postura de cada passageiro  ante a chegada de mais um colega de saga, um  sacolejado da variante etc. A vida de cada um a partir do  silêncio que  ele fazia momentaneamente.  A viagem  descrita em Eita Gota! que  para olhos   capixabas ou  gaúchos possa parecer realismo  fantástico é total realidade para nordestinos de qualquer estado. Bem  humorado, didático e poético o livro  agrada e deixa o leitor com uma ponta de carinho  pelo lugar. Qual lugar? O Cariri. Pensou na Veraneio 73? eita gota! 
Eita Gota, uma viagem paraibana
Efigênio  Moura
Editora da  UFPB
Páginas: 213
Livro disponível no site Estante Virtual

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Saideira 2009 - 1º grupo

No Saideira deste ano, cada participante apresentou um ou mais livros de autor de seu  estado. Nos primeiros envios:

Amor Não Tem Bons Sentimentos (O) - Raimundo Carrero, autor pernambucano, foi  enviado para São Paulo, capital  de onde seguirá para outras cidades.



Lenda dos Cem (A) - Gilvan Lemos,
autor pernambucano, enviado para Niterói/RJ




Poemas Pernambucanos-João Cabral de Melo Neto, autor pernambucano, enviado para João Pessoa/PB



Prata do Tempo - Letícia Wierzchowski,
autora gaucha,enviado para SãoPaulo/SP


Querô, Uma Reportagem Maldita, Plínio Marcos, autor paulista, enviado para Santos/SP


Eita Gota, Efigênio Moura, autor paraibano,enviado para Recife/PE

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Saideira 2009

Os 23 livros abaixo vão  circular a partir de hoje  1 de dezembro no saideira 2009, grupo  que encerra as ofertas do ano na comunidade LivroErrante.
Amor Não tem Bons Sentimentos (O) - Raimundo Carrero
Antes, O Verão -C.Heitor Cony
Breviário da Terra do Brasil - Luiz Antonio de Assis Brasil
Caminhos de Pedras - Rachel de Queiroz
Canibais, Amor e Morte Na Rua do Arvoredo- David Coimbra
Clara dos Anjos - Lima Barreto
Colecionador de Sombras (O) - João Batista Melo
Crocodilo Sonhador - Vanda Amorim
Eita Gota, Uma Viagem Paraibana - Efigênio Moura
Fios da Memória (Os) - Adriana Lisboa
Gato Sou Eu (O) -Fernando Sabino
Imaginária (A) - Adalgiza Nery
Lenda dos Cem (A) - Gilvan Lemos
Minúsculos Assassinatos e Alguns Copos de Leite - Fal Azevedo
Montanha Russa - Martha Medeiros
Na Multidão - Luiz Alfredo Garcia-Roza
Olha Para o Céu Frederico - João Cândido de Carvalho
Poemas Pernambucanos - J.C.Melo Neto
Prata do Tempo  - Leticia Wierzchowski  (em  destaque na postagem abaixo)
Primeiras Estórias - Guimarães Rosa
Querô Uma Reportagem Maldita - Plínio Marcos
Rakushisha - Adriana Lisboa
Uma Sombra Na Parede - Josué Montello

Saideira 2009 o mais solicitado.

Prata do Tempo - Leticia Wierzchowski -  foi o livro mais solicitado para leitura no  Saideira de 2009


Publicado originalmente em 1999, este romance tem como personagem principal uma casa construída à beiramar e à beira do delírio. Uma casa que, na sua falta de lógica, lembra um labirinto. Casa que, no excesso de paixão, lembra a corrente sanguínea. Ao circular por todos esses corredores, ao se perder nos muitos aposentos, o leitor visitará quase um século da história da família Serrat. E esta visita será feita com a melhor das anfitriãs: a contagiante narrativa de Letícia Wierzchowski.



" ... a família foi morar na casa de mil portas e janelas, onde tanta vezes me perdí por horas infindáveis quando era menina - até que engendrei o artifício de usar um fio de linha para marcar os meus caminhos, cada um com sua cor própria. Mesmo tendo sido concebida e gerada entre essas paredes, ainda sim levei muitos anos para compreender as voltas de cada corredor e o que se escondia atrás de tantas portas; fiz isso até desobrir dentro de minha alma os caminhos obscuros do louco labirinto de sonhos que meu pai tornou real, e então desvendei-os com clareza, pois eram delírios de amor." (trecho do livro, transcrito da contra-capa).

Este livro, oferecido por Suzie, começa vai  ser  postado amanhã da cidade de Porto Alegre junto  com  ele também  vão  ser postados livros do Recife(PE), Rio de Janeiro(RJ), São Paulo(SP), Araçoiaba da Serra(SP),São Gonçalo(RJ); Itaperuna(RJ);JoãoPessoa(PB);Nova Iguaçu (RJ) e estará começando o  grupo  que encerra o ano na comunidade LivroErrante.