terça-feira, 13 de outubro de 2009

Solidão - Josué Araujo

Solidão
Josué Araujo


Quando sentir-se só, dentro do quarto,
E você olhar pela janela aberta,
Lá fora, ainda a chuva torrente e esperta,
E n’alma sentindo dores de parto;

E quando você, olhando para cima,
Sentir-se que está porventura cético,
Do nosso Criador já quase hipotético,
Levando a vida sem nada de rima;


E quando ainda, mesmo que só contigo,
Não se lembrar d’um bom amigo antigo,
E se temer o abismo da paixão;


Também se a tua voz ficar abafada,
Presa na tua garganta sufocada,
Sim! Isto sim! Isto é que é solidão.

De Josué Araujo:
O Mistério da Bruxa de Areia Dourada