quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Despedida do Poeta - Josué Araujo

Despedida do Poeta 
Josué Araujo

Não repetiriam tal imprudência,
Dante, Dumas e Shakespeare.
Tudo se perde na dormência.

Romeu e Julieta,
A Dama das Camélias,
E a Divina Comédia...
Outro Teatro? Talvez.
Para onde vamos? Quem sabe?
Justa causa irrevogavelmente.

O que se fecha é a porta
Razões? Não importa.
A demissão é imperdoável.
Todos fracassam em cena.
O final é sempre um litígio,
As lágrimas não compram
Valor e prestígio.