quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Meu Pai - Carlos Said


Meu pai

Foi num domingo que prometia praia e cumpriu-se uma chuva miúda e intermitente, antecipamos nossa volta para São Paulo, na despedida meu pai como era costume, ficou encostado, ao portão de madeira da sua casa nos acenando um adeus. Nenhum de nós pressentiu que seria o ultimo, nunca mais o vi com vida, por temperamento não gostava de datas construídas comercialmente, como dia das mães, pais, etc, e isto transmitiu a mim, por isto pouco se lhe dá ser lembrado no dia dos pais dos avós ou o que seja, creio que gostaria de ser lembrado na sua alegria, na gargalhada cascateante, no seu humor as vezes caustico, no seu amor pelos livros.Para saber desta ascendência, é desnecessário, procurar os genes na cadeia espiralada do nosso DNA, basta olhar a cor dos meus cabelos, o sorriso que arremedo mas jamais será tão lindo, e algumas idiossincrasias que nos fazem um, e saberão que ele está em mim, assim como eu estarei sempre nele, nos perpetuaremos em seus netos, e bisnetos, como sempre o foi. E eu o verei sempre, sorrindo,apoiando-se no portão de madeira e saberei que após o nosso carro desaparecer no final da rua, ele pegará a bengala pendurada no braço,apoiará seu corpo cansado e com passos lentos, entrará em casa fecharaa porta, e, nos deixará com sua ausência.


(cedido pelo autor)