quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

Sobre o Livro Errante - BrasilWiki - texto de Eliane Araujo

Há quanto tempo você não fica ansioso pela chegada do representante maior dos Correios, ou seja os carteiros? Se você achasse um livro num banco de praça, ou durante algum passeio e nele estivesse escrito que você seria o próximo a lê-lo qual seria sua reação? Por que faço essas perguntas? A resposta é simples: você pode, a qualquer hora, em qualquer dia, voltar a se emocionar com a chegada do carteiro ou ser surpreendido com um livro deixado à sua espera. É através desta maneira simples que surge o livro errante ou livro livre, uma maneira diferente de difundir o prazer da leitura a qualquer pessoa que esteja interessada em entrar nesse mundo fantástico. Quer saber como funciona? Vou explicar tim-tim por tim-tim. Sabe aquele livro que você gostou muito e que tem vontade de compartilhá-lo com o mundo? A sugestão é a seguinte: deixe um exemplar dele em algum lugar público para que outra pessoa descubra esse novo mundo. Pode ser com essa sugestão de recado: “Este livro não lhe pertence, foi deixado aqui para que você leia. Pode levar, depois de ler não guarde, deixe novamente em algum lugar público para que seja lido por outra pessoa”, pois esse é o objetivo do grupo atingir o maior número de pessoas. A literatura também ganhou espaço através do mundo virtual. No Orkut, site de relacionamentos, os apaixonados pela leitura fazem a troca dos “errantes” utilizando os Correios para atingir seu objetivo principal. Um gesto que além de proporcionar o conhecimento de novos autores também transforma-se numa forma de relacionar-se à moda antiga, já que geralmente os livros vêm acompanhados de bilhetes, missivas, mimos, tornado-se um prazer maior recebê-los. Então, gostou? Faça parte você também deste ‘movimento’. Deixe seu “errante” solto por aí. Aposto que você terá boas surpresas. E se você já foi surpreendido, deixe aqui seu depoimento. Livro errante é uma atitude

segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

Eu Conto Um Conto Por Semana - 2



MARIA
Gabriela

O alarme do despertador dispara.
6:00h am.
O sol vai se espreguiçando e se levantando devagar lá onde se pode ver. Maria levanta e desliga o despertador. Olha pela janela e se dá conta: mais um dia. Pega a toalha, vai pro banheiro. Escova os dentes, faz careta pro próprio rosto apático no espelho.Sai do banheiro,volta pro quarto enrolada na toalha.
Mais um dia, mais um dia. Nada de novo. Pega qualquer roupa, não faz diferença. Desembaraça os cabelos sem se preocupar em arrumá-los. Não há motivos para estar bonita, não há mesmo ninguém para quem se enfeitar. Termina todo o toalete mecanicamente. Arrasta-se pra cozinha. Liga o rádio. A mesma voz engastada ecoa na cozinha, como todas as manhãs. Prepara uma xícara de café preto, forte e sem açúcar e pega duas bolachas no vidro. Como sempre, demora só o tempo de engolir o desjejum. Desliga o rádio,fecha as janelas. Sai e fecha a porta. Na parada do ônibus, aquela mesma mulher ruiva com aquele perfume enjoado e o velho que lança olhares a todas as mulheres que passam por ali. Como todos os dias.
7:00h am.
Não há nem a chance de se atrasar, o diabo do ônibus chega todo dia no mesmo horário e não demora mais que dez minutos pra chegar ao seu destino. Na hora de sempre ele vira lá na esquina,o 714-Centro. Mesmo motorista, mesmo cobrador. Como todas as manhãs, se espreme no meio daquele mundo de gente no ônibus lotado. Suor, perfume, barulho, conversas, celulares tocando, aquela senhora cantando música de igreja. Ela fecha os olhos,não pensa em nada e espera o ônibus chegar no Centro. Minutos depois desce, para sumir em meio à multidão de pessoas na rua.
7:30h am.
Maria chega num bar meio velho,com o letreiro caído e entra. Passa das mesas e do balcão. Vai prum quartinho lá nos fundos. Põe a bolsa em cima da mesa, amarra um avental amarelo na cintura e uma touca prendendo os cabelos. Cumprimenta duas mulheres na cozinha, pega a vassoura pra varrer por entre as mesas. Pára um segundo e olha o sol pela vidraça, agora alto no céu, espalhando seu vigor pelo telhado do mundo.
17:30h am
Encosta-se no balcão junto das outras duas garçonetes. Exaurida,depois do dia de trabalho. Curioso,mas até o cansaço era o mesmo de todos os dias. Pleno horário de pico, o bar estava tão cheio que até dificultava a passagem por entre as mesas. Sem rédea,seu pensamento escoava livremente. Sentia-se cada vez menos humana. Não possuía vaidade, nem acalentava sonhos e planos. Liberdade e prazer eram palavras sem significado. Há muito não sabia o que era alegria ou satisfação. Os dias eram todos iguais, insípidos, frustrantes. Tudo era rotineiro, repetitivo e sufocante. E assim os dias transformavam-se em meses, os meses em anos e os anos em uma vida anulada. Odiava admitir, mas fora apanhada na armadilha do dia-a-dia,do usual,do hábito. Sentia-se encarcerada, e presa dentro de si mesma. Apesar daqueles olhos caídos no rosto pálido, sabia haver uma outra, apaixonada pela vida e pelas suas imprevisíveis loucuras.Queria quebrar aquela mesmice angustiante, tirar as coisas do lugar, bagunçar o sistema e as regras que lhe atavam as mãos.Queria viver. Não entendia muito bem de onde surgia aquela força repentina, mas naquele momento soube que podia desfazer aquela realidade opaca que a envolvia. A coragem inundou-lhe o espírito e lá foi Maria.
Saiu do balcão e dirigiu-se à única mesa vaga no bar. Apoiando-se nos bancos de plástico, subiu na mesa. Os clientes que apinhavam o bar aos poucos pararam de comer e de conversar, permitindo que um silêncio insuportável ocupasse lugar entre as mesas lotadas.Ninguém entendia o que aquela moça, que parecia lúcida, estava fazendo em cima da mesa do bar lotado. Então, acompanhada por dezenas de olhos desconfiados, ela desfez o nó do avental, jogando-o longe. Em seguida, tirou a touca devagar, soltando os cabelos.Quase pra si mesmo, bem baixinho, começou a cantarolar uma canção, daquelas bem gostosas de ouvir. Abriu os braços e começou a dançar, acompanhando o ritmo da música. Aos poucos aumentou o tom de voz, permitindo a todos ouvirem o tom da melodia. Grande parte do bar, principalmente a ala masculina, começou a aplaudir na batida da canção, simpatizando com aquela moça, que ("como não haviam notado antes?") parecia tão bonita e tão livre. Lá na mesa, Maria estava maravilhosamente feliz. Experimentava aquela deliciosa sensação de sabotar o cotidiano, o lugar-comum, a caretice.Sentiu que podia tocar no céu, se quisesse; já estava nele.Ao redor de si, observava encantada, o amarelado dos dias corroendo-se e descascando para dar lugar a milhões de cores. Em cima da mesa, ao seu lado, a liberdade requebrava os quadris e aplaudia a doce loucura cometida por Maria. A moça rebolou e cantou a plenos pulmões, de olhos fechados, até a música acabar. Curvou-se e agradeceu os aplausos, agora mais efusivos do que nunca. Desceu da mesa ajudada por dois cavalheiros. Estava tão feliz que nem estranhou quando foi chamada até a sala do patrão. Então, foi demitida.
Saiu do bar e sorriu pro sol já recolhendo seus últimos raios e se preparando pra dormir. Para Maria, a vida acabava de começar.

Eu Conto Um Conto - para amadores - da Comunidade Livro Errante; dezembro de 2007

domingo, 27 de janeiro de 2008

Palavra Final - Marçal Aquino- Inspirado em Sigmund Freud, Marcel Proust e Bernard Pivot


Sua vida daria um roteiro de cinema?
M.A:Talvez um filme B, desses de monstro barato
Qual seria o título de um livro sobre você?
M.A:Bem longo, como gosto: Um Dedo de Impossibilidade, Uma gota de Impaciência e um Bocado de Sorte e Incompreensão
Qual a sua palavra favorita?
M.A:Esplendor
O que o inspira?
M.A: A música do mundo e alguns mamíferos inesperados
Qual o seu lema?
M.A:"Nada é maior do que parece ser"
Seu maior medo?
M.A:Perder o interesse
Um vício?
M.A:Espionar personagens nas ruas
O que a vida de fumante ensinou a você?
M.A: A tossir
Em quem você daria uma surra?
M.A:Em ninguém;sou uma pessoa cordial
Qual foi o lugar mais estranho em que você fez amor?
M.A:Brasília
Seus idolos?
M.A:Não tenho
Que característica mais admira em si mesmo?
M.A:Aquilo que mais admiro nos outros; a incapacidade de se levar a sério demais.
E a característica que mais deplora em si mesmo?
M.A:A impaciência
Se não fosse jrnalista e escritor, que outra profissão seguiria?
M.A:Dono de um sebo bem caótico
Que profissão jamais gostaria de ter?
M.A:Guia (de qualquer coisa)
Frase favorita?
M.A:"Escrever não é necessariamente algo de que se deva sentir vergonha, mas faça-o com privacidade e lave as mãos depois" Robert Heinlein- autor americano de ficção científica -1907-1988)
O que escreveria em sua lápide?
M.A:"No fim deu nisso"
Se o céu existe, o que gostaria que Deus lhe dissesse quando chegasse lá?
M.A:"Perdão"______________________________________________________

Marçal Aquino: Nasceu em Amparo, interior de São Paulo.Tem 50 anos. Largou o cigarro reentemente, após 30 anos.
Carreira: é autor dos livros O Invasor, Ação Eu receberia As Piores Notícias dos Seus Lindos Lábios, que roteirizou para o cinema sob a direção de Beto Brandt. é o roreirista de O Cheiro do Ralo, de Heitor Dhalia. sua novela Cabeça a Prêmio deve virar filme neste ano.
Entrevista concedida a Gisela Anauate - Revista Época. ed505 de 21/01/2008

sábado, 26 de janeiro de 2008

Olhos Puxados - novo grupo de L.E



L.E Olhos Puxados - apenas literatura asiática - já tem lista de livros e participantes definidos. Começa logo depois do carnaval.
IONÁ* Nuvens de Pássaros Brancos - Kawabata
EVA*Cisnes Selvagens - Jung Chang
LUCILA* A arte da guerra -Sun Tzu
LAURA SOUZA*Beleza e Tristeza -Yasunary Kawabata
AKILES*Os Amigos - Kazumi Yumoto
MARCELO* Voragem- Junichiro Tanizaki GEÓRGIA* As Três Filhas de Madame Liang - P.S Buick
ELI@NE*Confissões de uma máscara - Yukio Mishima
DANIELA*Morte em Pleno Verão - Yukio Mishima
RICHARDSON*Shin Hagakure - Pensamentos de um Samurai Moderno
BÁRBARA* Há quem prefira Urtigas - Junichiro Tanizaki
ALINE*O País da Neve - Yasunari Kawabata
RENATA*Mil Tsurus - Yasunari Kawabata
SÍLVIA* Minha Querida Sputnik - Haruki Murakami
TÂNIA*Uma Folha na Tempestade - Lin Yutang
ANDRÉ*A Montanha e o Rio - Da Chen

quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

Os mais menos... E você o que diz?


Best-seller, significa "mais vendido". Até aí todo mundo sabe, não disse novidade. Mas, os mais vendidos são mais lidos?

 Eles vendem muito porque são muito lidos realmente? Surpreeeeeeeeesa: NÃO!! não são.

Isto foi o que descobriu o serviço de encomenda por televisão Teletext, da Inglaterra. Pesquisa feita com 4 mil pessoas deu conta de que 55% das pessoas compram o/s livro/s para decoração; Outros 35% informam que não comprariam um livro com mais de 350 páginas; Muitas pessoas alegam falta de tempo; Há quem culpe a concorrência da televisão e jogos de computador. Várias foram as razões apresentadas para não se dar importância a livros clássicos, premiados, debatidos no mundo inteiro.


Os pesquisadores apresentaram (veja abaixo)os 10 livros MENOS LIDOS, dentre os mais vendidos no mundo inteiro.


 Vernon Little, O bode Expiatório -D.B.C Pierre
Harry Potter - O Cálice de Fogo - J.R Rowling


Ulisses - James Joyce
O Bandolim de Corelli -Louis Bernières

Cloud Atlas - David Mitchell

Versos Satânicos - Salman Rushidie

O Alquimista - Paulo Coelho


Guerra e Paz - Tolstói


O Deus das Pequenas Coisas -Arundhati Roy


Crime e Castigo - Fiódor Dostoiévsk


E você: já leu algum deles? Leu? Qual? Gostou?

Nem comprou? Comprou e não conseguiu chegar à metade ou nem passou das primeiras páginas? 

Já sei: agora vai ler sim. Acertei?
(BBC Brasil - 07/03/2007)

O JORNALISTA, O ESCRITOR E O AVIADOR Aluizio Falcão Filho


Os segredos do aviador
O romance de estréia de Aluizio Falcão Filho narra as aventuras de um jornalista americano fascinado por Santos Dumont

RÁPIDOAluizio Falcão Filho concluiu O Jornalista, o Escritor e o Aviador em 28 dias. Ele mostra um dom incomum como contador de histórias
Uma surpresa o primeiro romance de Aluizio Falcão Filho, O jornalista, o escritor e o aviador (Clio, 366 páginas, R$ 39,90). Jornalista bem-sucedido, com passagens por publicações como Gazeta Mercantil, Veja, Exame e ÉPOCA, Aluizio em sua estréia mostrou um notável talento como contador de história. É um daqueles livros que prendem o leitor a cada passagem: uma trama engenhosa, em ritmo veloz como um filme americano, e uma prosa competente.
Aluizio ambientou sua trama nos Estados Unidos. Um premiado jornalista de Boston, John Dellaplane, vive uma crise na carreira e na vida conjugal. Sua mulher o abandonou para ficar com o patrão de John. Se não bastasse, foi demitido pelo patrão que levou sua mulher. Só que a vida, para usar uma frase do filósofo romano Sêneca, é uma sucessão de quedas – e elevações. John compra, relutante, um bilhete de loteria, e ganha US$ 150 milhões. Cheio de dinheiro, motiva-se para um reinício na carreira, e se apaixona subitamente pela vida de Santos Dumont. John contrata uma equipe para pesquisar Santos Dumont, e eis aí um trunfo do livro. Aluizio entrega ao leitor um bom número de curiosidades sobre Santos Dumont. O leitor tem a sensação de que não apenas se entretém com o livro – mas aprende. Esse é um recurso largamente utilizado pelos escritores americanos.
O primeiro ponto: Santos Dumont era gay? Aluizio, numa passagem por Paris, onde Santos Dumont viveu seus dias de glória como pioneiro da aviação, foi a uma boate gay. Lá perguntou se, na época de Santos Dumont, havia já boates para homossexuais. Sim. Aluizio investigou se Santos Dumont a freqüentava, e a resposta foi não. Santos Dumont era, aparentemente, assexuado. Tão entretido com os aviões que não ligava para mulheres, com certeza – e também não, provavelmente, para homens.
Em meio ao trabalho biográfico, John Dellaplane depara com a figura do escritor francês Júlio Verne, contemporâneo de Santos Dumont. (John vem de John Lennon. Os Beatles são sutilmente citados em todo o livro.)
Teriam sido amigos, Verne e Santos Dumont? Segundo o romance, sim – mas aí a resposta vem não da história real, mas da mente criativa de Aluizio. Santos Dumont e Júlio Verne seriam não apenas amigos, mas parceiros num invento capaz de mudar a história da humanidade. Qual? Bem, não quero estragar o prazer do leitor.

Matéria de Paulo Nogueira - recortada da Revista Época; ed495 de 12/11/2007 - (Edição do L.E.)

segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

Missão Pocket II - a saga continua

MISSÃO POCKET - COMEÇOU !!!!






Estrelas Tortas - Walcyr Carrasco
Eu Receberia as Piores Notícias dos Seus Lindos Lábios - Marçal Aquino
A Revolução dos Bichos - Geoge Orwell
Mulheres, Crônicas de David Coimbra - mais outros livros vão em breve começaram a circular sob a coordenação do Maurício: Chamada dos Pockets II - a saga continua ...

domingo, 20 de janeiro de 2008

História do Livro Errante - continuação


Em fevereiro de 2007 o Jornal Tribuna do Norte de Natal-RN, refere-se a nós:
"O hábito da leitura tem se intensificado entre as pessoas ao mesmo tempo em que se discutemos livros circulantes. um outro fator a ser levado em consideração é que com o errante Regional vários bons autores da cidade de cada um foi divulgado e apreciado por outras cidades distantes, que, talvez, de outra forma nãoo fossem conhecer. Por extensão, os membros dos grupos desenvolvem uma amizade além das conversas fúteis e deletáveis tão comuns no Orkut."
Devido ao sucesso do tópico dentro da comunidade que hoje carinhosamente chamamos nave-mãe, demos início em março de 2007 a um projeto de troca de livros, discussões e amizades, virtuais ou não,absolutamente bem sucedido. Começamos a comunidade Livro Errante.
De março até hoje muita gente acabou viciada na leitura, muitos livros circularam, mais outros continuam em circulação... continuamos, portanto, a brincadeira séria e feliz.
Grupos que já encerraram:Regional,Signos A e B,Casa de Mãe Joana, Palavra de Mulher, Romace/ficção,Timbuktu,Contos e Tema Livre e Romance Gay
Grupos em fase final: Cabeças Trocadas, Chamada dos Pokets e Cai o Pano
Grupos em andamento: Ilustres Desconhecidos,Colcha de Retalhos,Conta Outra,Tropa de Elite,Saideira 2007
Grupos com início previsto para janeiro: Russos e Literatura Infantil e Chamada dos Pockets a Saga Continua

Grupos com início previsto para depois do carnaval: Mamãe África; Olhos Puxados

sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

Aos Novatos - como funciona o Livro Errante?


Pela internet, fazemos troca e empréstimo de livros através da comunidade: http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=28956097. Escolhemos um assunto,estilo etc ( só autoras, só livros finos, pockets, romance gay, escritores da África lusa, escritores orientais, escritores russos, regionais...) convidamos quem queira participar delimitando ou não o número de leitores. Em seguida cada participante oferece um ou mais livros de que disponha dentro do pedido. Cada participante depois de conhecer todos os livros ofertados escolherá qual/quais lhe interessa. O organizador, então, fará com que cada livro seja enviado para cada pessoa que o escolheu. O envio é feito pelos correios quando para leitor de outra localidade. Todos os livros voltam a seus respectivos donos. Desde a criação da comunidade, em março de 2007, os grupos foram formados por pessoas comprometidas com o bom andamento e todos os livros voltaram a seu ponto de partida. Alguns grupos ainda estão em andamento e mais quatro estão se formando, com início previsto para os meses de janeiro e fevereiro.
Caso você queira participar, o grupo: MISSÃO POCKET II ainda está em formação e recebe adesões. Procure o tópico com este nome na comunidade Livro Errante - Orkut.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

Chá de Letrinhas - O Xodó do Livro Errante


O Casal Gustavo e Jucinha Pessoti com Cláudia Braga em Poços de Caldas - MG.
Levaram os livrinhos e o carinho da Lucila para o Chá de Letrinhas.
Como podem ver...Livro Errante é atitude!!

O Livro Errante tem o maior prazer e orgulho de participar da formação
de leitores. Adotamos uma escola pública da cidade de Poços de Caldas-MG e para lá enviamos mensalmente um ou mais livros. Começamos em nov. 2007 e em out. 2008 teremos formado uma biblioteca para crianças de 6 a 8 anos.
Além disso poderemos dizer que estamos mais felizes e fazendo nossa parte.



LIVRO ERRANTE É ATITUDE! junte-se a nós.

terça-feira, 15 de janeiro de 2008

A História do Livro Errante - continuação

O Livro Errante pela internet começou em novembro de 2006 quando fizemos circular A Valsa dos Adeuses de Milan Kundera e O Opositor de L.F.Veríssimo. A brincadeira aconteceu ainda dentro de outra comunidade. Além dos livros citados acima, Lucila uma de nossas integrantes mais ativas, propôs que divulgássemos autores de nossos estados.
Assim foi feito e pudemos, então, dentre outros, conhecer ou reler:
ANTONIO CARLOS VIANA autor de Sergipe, pelo livro: O Meio do Mundo e Outros Contos
ANTONIO FALCÃO autor de Pernambuco, pelos livros: O Tango das Meretrizes e Romeiros do Absurdo
CÍCERO BELMAR autor de Pernambuco, pelo livro: Umbelina e sua Grande Rival
FRED MATOS autor de Bahia, pelo livro: Melhor Que A Encomenda

JOÃO BATISTA MELO autor de Minas Gerais, pelo livro: Patagônia
LUIS ALFREDO GARCÍA-ROZA autor do Rio de Janeiro, pelo livro: O Silêncio da Chuva
MILTON HATOUM autor do Amazonas, pelo livro: Relato de Um Certo Oriente





Leia também:
http://livroerrante.blogspot.com/2008/01/conheci-os-colegas-noutra-comunidade.html

segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

A História do Livro Errante


O Opositor
L.F.Veríssimo

Conheci os colegas noutra comunidade ligada à literatura. Conversando descobrimos que cada um, a seu modo e tempo, passava seus livros adiante. Nosso amigo Maurício entregava o livro e pedia a quem recebesse que passasse adiante quando terminasse de ler. Outra pessoa simplesmente deixava em um lugar qualquer para que o livro fosse encontrado. Fomos, enfim, descobrindo que tínhamos em comum a vontade de compartilhar a leitura com pessoas que poderiam ser desconhecidas. Nos reunimos e, por brincadeira, decidimos fazer um livro circular entre nós de maneira que fosse lido pelo maior número de pessoas possíveis. Assim, A VALSA DOS ADEUSES – Milan Kundera, gentilmente cedido por Ednice (http://escritosnaagua.blogspot.com/ ) foi lido em PE,SE,BA,MG,RJ,SP,SC,RS,MS,GO,DF,CE e finalmente voltou à sua dona. Da mesma forma, O OPOSITOR – Luis Fernando Veríssimo, gentilmente cedido por nosso querido amigo Maurício, o gaúcho mentor do Livro Errante, circulou por várias mãos até que voltou à Porto Alegre.
Daí em diante, movidos pela vontade de ler e pela amizade que se criou entre os integrantes, fomos formando grupos e trocando livros, sempre de forma a que voltem a seus verdadeiros donos. Passo seguinte, e já esperado, fizemos uma comunidade independe (
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=28956097). Nela já organizamos diversos grupos de troca de livros. Alguns já encerraram, vários estão em andamento, quatro estão em formação e tem dois informados para março e abril.
Para comemorar o sucesso do Livro Errante, adotamos uma escola pública da cidade de Poços de Caldas-MG e estamos formando uma biblioteca (
http://www.orkut.com/CommMsgs.aspx?cmm=28956097&tid=2562404435418834143) basicamente para as crianças das primeiras séries.
Paralelo a isso, continuamos individualmente a deixar livros em lugares públicos. Cada um de nós continua, compartilhando livros com pessoas que não conhecemos.
Junte-se a nós. Livro Errante é uma atitude! Contamos com você.

Leia também:
http://livroerrante.blogspot.com/2008/01/histria-do-livro-errante-continuao.html

domingo, 13 de janeiro de 2008

L.E Mamãe África -


Mamãe África vai iniciar dia 07 de fevereiro somente com escritores da África lusa.
Vão circular os livros:

Niketche, de Paulina Chiziane  

Mayombe, de Pepetela 
Um Rio Chamado Tempo, uma Casa Chamada Terra, de Mia Couto 
O Vendedor de Passado, Agualusa 
Bom dia, Camaradas, de Ondjaki
Terra sonâmbula, do Mia Couto 
Testamento do Sr. Napumoceno - Germano Almeida - Cabo Verde 
Este é o Meu Corpo - Filipa Melo 
Parábolas do Cágado Velho - Pepetela 
A Vida Verdadeira de Domingos Xavier - José Luandino Vieira 
Manual de Levitação - Agualusa 
Os Flagelados do Vento Leste - Manuel Lopes
Luuanda - José Luandino Vieira 
A Hora de Bai - Manuel Ferreira 
Os da Minha Rua - Ondjaki 
A Cidade e a Infância - José Luandino Vieira 
Não Posso Adiar a Palavra, Hélder Proença
A Varanda do Frangipani - Mia Couto

quinta-feira, 10 de janeiro de 2008

O Livro dos Abraços e Almas Gêmeas




O Livro dos Abraços - Eduardo Galeano-Tratar a memória como coisa viva, bicho inquieto: assim faz Eduardo Galeano quando escreve. Ele mostra que a história pode - e deve - ser contada a partir de pequenos momentos, aqueles que sacodem a alma da gente sem a grandiloqüência dos heroísmos de gelo, mas com a grandeza da vida. Assim é o "Livro dos Abraços".O que de melhor ouviu ele transforma em livros como este, onde lembra como são grandes os pequenos momentos e como eles vão se abraçando, traçando a vida.
Este livro foi deixado no capô de um carro estacionado na frente de um bar de um bairro da zona oeste de Recife.
Alma Gêmea - Mônica Buonfiglio - Este livro foi deixado numa poltrona da sala 4 dos cinemas Multiplex -Shopping Boa Vista.

Um Chopp Para a Gordinha



Um Chopp Para a Gordinha - Ronildo Maia Leite, reunião de excelentes crônicas publicadas pelo jornalista no Jornal do Commércio - de Recife


Este livro foi deixado no McDonald's do Shopping Boa Vista

Livros no cinema


Uma mulher chamada Elizabeth herda uma fortuna do pai, um empresário muito rico. Acontecem várias tentativas de matá-la. Tem um final surpreendente e uma trama muito interessante. Parece monótono mas, com certeza, vale a pena ler." Autor: Sidney Sheldon. Editora: Record
Estes livro foi deixado no Shopping Boa Vista - Recife

Livros no cinema

Quem hoje for aos cinemas do Shopping Boa Vista - pode encontrar os livros:
A HERDEIRA de Sidney Sheldon
UM CHOPP PARA A GORDINHA - Ronildo Maia Leite
ALMAS GÊMEAS - Mônica Buonfiglio e
O LIVRO DOS ABRAÇOS -Eduardo Galeano


Estou saindo de casa agora para ver o filme Alvin e os Esquilos e vou deixar esses livros lá. Se você encontrar pode levar para ler. Depois, deixe novamente em algum lugar público. Livro Errante é uma atitude!

quarta-feira, 9 de janeiro de 2008

Primeiro Livro Errante pela internet


A Valsa dos Adeuses - Milan Kundera, foi enviado de Natal-RN em novembro de 2006, percorreu várias cidades em vários estados do Brasil e hoje chegou de volta às mãos de Ednice sua dona.

Livro Errante na imprensa:

Jornal do Commércio – Recife, 04 de março de 2007:
http://jc.uol.com.br/jornal/2007/03/04/not_222387.php


Tribuna do Norte – Natal-RN:
http://tribunadonorte.com.br/noticia.php?id=34460

Jornal Nacional – Rede Globo 26 de outubro de 2007:

http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM747521-7823-LIVROS+ERRANTES+CONQUISTAM+LEITORES+EM+PERNAMBUCO,00.html