Pular para o conteúdo principal

Bibliotecário

Nós da comunidade Livro Errante, estamos formando a biblioteca da Escola Municipal Flávio Ribeiro Coutinho da cidade de Umbuzeiro - PB; as doações começaram emmarço e seguirão até fevereiro de 2009. Nenhum dos integrantes é do Estado da Paraiba. Embora seja de nosso conhecimento que organização/catalogação/sistema de empréstimo dos livrinhos deva ser feita corretamente, nenhum de nós é bibliotecário. Por essa razão, pedimos a colaboração voluntária de algum profissional que possa ir até a Cidade de Umbuzeiro. A professora responsável, tem toda a boa vontade e interesse porém precisa de orientação.
Você, que queira colaborar entre em contato conosco através deste blog.
Agradecemos,
L.E

Comentários

  1. Regina,
    Quem dera eu morasse por lá!
    Faria esse trabalho com o maior prazer!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Lerê,
    Não sabe como emociona tanta prestatividade. Muitíssimo obrigada.
    Regina

    ResponderExcluir
  3. Será que não existe uma associação de bibliotecários na Paraíba? Deve haver. Deve haver alguém morando lá próximo!

    Ladyce

    ResponderExcluir
  4. Tenho amigas do doutorado que são da Paraíba, vou ver com elas, talvez conheçam alguém que queira ajudar!
    Volto com novidades depois, pois elas retornam a Belo Horizonte na próxima semana!

    ResponderExcluir
  5. Deixei pedido numa com. do Orkut de Campina Grande (quase vizinha de Umbuzeiro) fiz o mesmo no site: APBPB - associação dos profs. de biblioteconomia da PB além de email enviado ao depto. de biblio da UFPB...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Formiga Boa, Monteiro Lobato

Houve uma jovem cigarra que tinha de chiar ao pé do formigueiro. Só parava quando cansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas.      Mas o tempo passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados passavam o dia cochilando nas tocas.      A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em apuros, deliberou socorrer-se de alguém. Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se foi para o formigueiro. Bateu - tic tic-tic...      Aparece uma formiga friorenta embrulhada num xalinho de paina.      - Que quer? - perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.      - Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu vivo ao relento.      A formiga olhou-a de alto a baixo.      - E que fez durante o bom tempo, que não construiu uma casa?

Era uma vez...Adivinha adivinhão, Luis da Câmara Cascudo

Era uma vez um homem muito sabido, mas infeliz nos negócios. Já estava ficando velho e continuava pobre como Jó. Pensou muito em melhorar sua vida e resolveu sair pelo mundo dizendo-se adivinhão. Dito e feito. arrumou uma trouxa com a roupa e largou-se.      Depois de muito andar, chegou ao palácio de um rei e pediu licença para dormir. Quando estava jantando, o rei lhe disse que o palácio estava cheio de ladrões astuciosos. Vai o homem e se oferece para descobrir tudo, ficando um mês naquela beleza. O rei aceitou.

Vinicius de Moraes e Cecília Meirelles

Esta segunda-feira vem com dois poemas, para ajudar a esclarecer uma confusão feita por alguns internautas, quando Ladyce West publicou no seu blog, Peregrina Cultural, o poema As Borboletas de Vinicius de Moraes.  Em alguns sites e até em livros didáticos a autoria é  dada a Cecília Meirelles.  O blogueira Ladyce está absolutamente certa. O poema é de Vinicius de Moraes e na postagem consta a referência.   Vamos aprender, então?