quinta-feira, 15 de maio de 2008

Marçal Aquino



Diálogos possíveis
Marçal Aquino, 50 anos, fala sobre suas experiências nas áreas de literatura e cinema na Bienal do Livro de Rio Preto, hoje, às 15h
Daniela FentiAgência BOM DIA
Divulgação/Adriana Vichi

Jornalista, escritor e roteirista, Marçal Aquino, posa para foto publicitária São 50 anos de história e pilhas de textos. O jornalista, escritor e roteirista Marçal Aquino é um dos destaques da 3ª Bienal do Livro de Rio Preto, hoje, às 15h, com a palestra “Literatura e Cinema: Diálogos Possíveis”.Marçal, leitor na maior parte do tempo, considera-se eclético. Atualmente lê uma coletânea com grandes reportagens e prefere se manter longe de títulos de ficção científica.Como espectador, não tem paciência para os musicais. Nem para os críticos que revelam o desfecho das histórias. “Evito ler as resenhas. Prefiro errar a perder o prazer da descoberta.”Recentemente assistiu ao drama “Um Beijo Roubado”, do diretor Wong Kar-Wai, e gostou.Sobrepostas a essas é que surgem as facetas conhecidas do homem que entende as especificidades das duas linguagens – a literária e a cinematográfica.“O livro sempre vai parecer melhor do que o filme, pois é mais complexo. São coisas diferentes”. Enquanto autor e roteirista, sua preocupação é compartilhar boas idéias com o público como se também fizesse parte dele.Seus textos literários geralmente são adaptados às telonas. Mas nada o impede de trabalhar na contramão. “Quando tinha 11 anos, costumava ver filmes e escrever sobre eles, ao chegar em casa. Não estou fechado a esta possibilidade.”Em seu universo criativo, é proibido proibir.ServiçoTambém haverá mesa redonda com os professores Sérgio Vicente Motta, Maria Heloísa Martins Dias e Maria Celeste Tommasello sobre “À Roda de Memórias Póstumas de Brás Cubas”, a partir das 19h. A programação completa está no site www.riopreto.sp.gov.br.